A Alauda acredita que competição vai estimular o desenvolvimento de novas tecnologias (Divulgação)

Parece até coisa de filme de ficção científica ou mesmo pura loucura. A Alauda Racing, uma jovem empresa australiana com grandes ambições, quer iniciar em 2020 a série de corridas Airspeeder, uma espécie de Fórmula 1 dos “carros voadores”. A ideia do grupo é colocar 10 veículos aéreos no grid, cada um com um piloto a bordo, competindo um contra o outro no ar a velocidades de até 200 km/h.

A companhia baseada em Sydney já construiu vários protótipos dos veículos que pretende enviar para as corridas e vem documentando seus testes de voo realizados no deserto da Austrália nos últimos oito meses em uma série de vídeos disponíveis no Youtube. Como explica a empresa, a aeronave com motorização elétrica ainda em fase de desenvolvimento é um “octocóptero” com rotores coaxiais, algo semelhante a um drone gigante, mas tripulado.


A primeira apresentação pública do projeto Airspeeder com voos de demonstração será realizada nesta semana no Festival de Velocidade de Goodwood, na Inglaterra. A Alauda também informou que pretende iniciar os primeiros testes do veículo tripulado em novembro deste ano no deserto de Mojave, nos Estados Unidos.

Segundo os idealizadores da nova corrida aérea, a versão final do veículo terá mais de quatro metros de comprimento e cerca de 3,5 m de largura. Eles serão cobertos com uma carroceria aerodinâmica e leve, lembrando os antigos carros de F1 dos anos 50 e 60. A empresa australiana ainda revelou que as aeronaves serão equipadas com baterias de lítio com capacidade de 500 kW e pesarão algo em torno de 230 kg, sem contar o peso do piloto a bordo.

A Alauda também deu um deslumbre de como será o modelo da competição. A Airspeeder contará com provas de tempo individuais e corridas coletivas “a 20 metros acima do solo”, explica a a companhia. Além de proporcionar uma disputa super radical, a empresa australiana também acredita que a competição pode estimular o desenvolvimento de novas tecnologias para multicópteros e, mais adiante, levar a criação de “um carro esportivo voador de sucesso mundial para venda ao público”. Só faltou explicar como a segurança dos pilotos será garantida…

Se de fato virar realidade, a chegada da Airspeeder pode ser uma alívio para os fãs de corridas aéreas, que neste ano ficarão órfãos do Red Bull Air Race, programado para terminar neste ano.

Veja mais: Airbus vai construir avião híbrido-elétrico com sete motores