TBM 900 chega à 200ª unidade: turbo-hélice é capaz de voar a mais de 600 km/h (Divulgação)

O turbo-hélice TBM 900 tem uma história para lá de curiosa e improvável. Hoje propriedade da empresa Daher, o monomotor executivo impressiona pela velocidade de um jato (dos mais lentos, é verdade): 611 km/h, segundo a fabricante. A atual geração é vendida em duas versões, a 910 e a 930 que se diferenciam pela suíte de aviônicos (Garmin G1000 NXi no primeiro e G3000 no segundo). Lançado em 2014, o TBM 900 acaba de chegar à 200ª aeronave fabricada, um modelo 910 que será entregue a um cliente da cidade de San Antonio, no Arizona (Estados Unidos).

Uma marca invejável para um avião que já teve cerca de 860 unidades vendidas desde que entrou em operação em 1990. Mas quem vê o elegante avião de asa baixa, winglets e seu motor PT-6 de cinco pás não imagina que sua origem é justamente americana e ligada a uma fábrica também conhecida pelos aviões velozes, a Mooney.



A companhia fundada em 1929 ficou famosa na aviação geral pelos seus aviões de cauda sem enflechamento e pela velocidade e qualidade do voo. A carreira da empresa, no entanto, foi cheia de altos e baixos, inclusive na década de 80 quando decidiu construir um belo monomotor de cinco lugares, o Mooney 301 em 1983.

Apesar do histórico da Mooney, o 301 era pesado e lento para os padrões da empresa. A saída foi se associar à SOCATA, uma subsidiária da Aerospatiale francesa e voltada para a aviação geral.

Turbo-hélice

O projeto do 301 foi revisto nas mãos francesas que decidiram trocar o motor a pistão da Lycoming por um turbo-hélice PT-6A, da Pratt & Whitney. O design foi revisto e projeto ganhou o nome de TBM 700 – “TB” retirado da cidade onde ele seria produzido na França (Tarbes), o “M” de Mooney, e o “700”, dos 700 shp de potência do motor.

O primeiro protótipo voou em julho de 1988 e as duas empresas passaram a ser sócias na TBM International que seria responsável por comercializar aquele que seria o primeiro turbo-hélice monomotor de alta performance do mundo. O projeto envolvia duas linhas de montagem, uma da Mooney e voltada para o mercado norte-americano, e outra na França que seria responsável pelas vendas no resto do mundo.

Mas a situação financeira da Mooney se agravou nos anos 90 e a empresa decidiu sair da sociedade em 1991. O TBM 700, no entanto, era um projeto promissor, capaz de voar a até 555 km/h e oferecer uma autonomia de mais de 2.400 km.

O TBM 700 foi fabricado entre 1990 e 2005 com 324 unidades construídas, mas foi a versão TBM 850 a mais popular com 338 exemplares fabricados em oito anos já parcialmente nas mãos da empresa Daher, que assumiu a SOCATA da EADS, grupo aerospacial hoje conhecido apenas como Airbus.

A Daher decidiu aprimorar o projeto em 2014 ao lançar o atual TBM 900. Winglets e as hélices Hartzell de cinco pás passaram a fazer parte do modelo de série que tornou-se ainda mais veloz.

O TBM no Brasil

Segundo o RAB (Registro Aeronáutico Brasileiro), existem atualmente 28 unidades do monomotor no país, incluindo três exemplares do TBM 700 e 25 das versões TBM 850 e 900.

O Mooney 301: com motor a pistão, seu desempenho decepcionou (Domínio Público)

Veja também: Conheça o Aerostar, avião de Tom Cruise no filme “Feito na América”