(USAF)

A criação da “Space Force” é uma resposta de Trump às ameaças espaciais da China e Rússia (USAF)

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, anunciou nesta quinta-feira (10), em Washington, que enviou ao Congresso uma proposta para a criação da “Força Espacial dos EUA”. A “Space Force” é um dos sonhos espaciais do presidente Donald Trump, que vem falando sobre a ideia em seus discursos mais recentes e também no Twitter.

“Chegou o momento para o próximo grande capítulo na história de nossas forças armadas. Para nos preparar para o próximo campo de batalha, onde bravos americanos serão chamados para deter e derrotar uma nova geração de ameaças ao nosso povo, nossa nação. Chegou a hora de fundar a Força Espacial dos Estados Unidos”, disse Pence.



O plano de Trump é criar a nova força militar até 2020. O projeto propõe reunir em um único grupo, o Comando Espacial dos Estados Unidos, todos os atuais projetos espaciais e pessoal das outras forças militares dos EUA.

Para criação da corporação espacial, que seria a sexta força armada americana, Pence pediu um aporte de US$ 8 bilhões para os próximos cinco anos. A proposta ainda precisa passar pela aprovação do Congresso americano.

Uma das razões para a formação da força espacial é responder aos recentes avanços da China e Rússia em projetos espaciais militares, como armas antissatélites. O relatório divulgado pelo Pentágono alertou que os chineses e russos demonstraram que possuem tecnologia para hackear, bloquear e abater satélites.

Essa capacidade poderia destruir satélites americanos de sistema de posicionamento global, assim como satélites de comunicações militares e civis, além da frota de satélites espiões do país.

Segundo o comunicado do Pentágono, cerca de 80% do contingente militar do país envolvido em pesquisas espaciais atuam na Força Aérea, mas todos os outros serviços também têm pessoal focado em pesquisas nesse mesmo sentido. Ao todo, são cerca 18 mil profissionais envolvidos em projetos espaciais pelas forças armadas dos EUA, apontou o Departamento de Defesa.

Veja mais: Airbus planeja versões militares do jato A320neo