Um dos principais objetivos da parceria é a produção dos jatos C Series na fábrica da Airbus nos EUA (Divulgação)

Um dos principais objetivos da parceria é a produção dos jatos C Series na fábrica da Airbus nos EUA (Divulgação)

Após receber todas as aprovações regulatórias necessárias, a Airbus, a Bombardier e o fundo de investimentos do Québec (Investissement Québec – IQ) concordaram em fechar a transação do programa dos jatos C Series a partir de 1º de julho de 2018.

Com a negociação, a Airbus vai adquirir a maior parte das ações da Parceria Limitada de Aeronaves C Series (C Series Aircraft Limited Partnership – CSALP). As conversas entre as fabricantes sobre a transação havia sido anunciada em outubro de 2017. A parceria, inicialmente estabelecida entre a Bombardier e a IQ, vai se beneficiar do alcance global do grupo Airbus, sua escala, organização em compras e experiência em vendas, marketing e produção da série C Series, hoje composta pelos jatos CS100 e CS300.



Em comunicado, a Airbus afirma que vai trabalhar com a Bombardier e o IQ “para liberar por completo o potencial do C Series”. O grupo europeu ainda acrescentou que a negociação “vai agregar um valor significativo para consumidores, fornecedores, funcionários, acionistas e comunidades nas quais a parceria opera”. O escritório principal da parceria, a linha de montagem primária e funções relacionadas será em Mirabel, no estado do Quebéc, no Canadá.

Com o fechamento antecipado da parceria, os termos do plano foram atualizados de acordo com o seguinte cronograma: a Bombardier financiará as deficiências de caixa da CSALP, se necessário, durante o segundo semestre de 2018, até um máximo de US$225 milhões; durante 2019, até um máximo de US$350 milhões; e até um valor agregado máximo de US$350 milhões nos dois anos seguintes, em consideração às ações participantes sem direito a voto da CSALP com dividendos acumulados anuais de 2%. Qualquer excesso de déficit durante esses períodos será compartilhado proporcionalmente entre os acionistas da Classe A da CSALP.

As partes envolvidas no acordo também esperam, com a finalização da parceria, um aumento na demanda pelos jatos C Series para apoiar uma segunda linha de montagem final das aeronaves em Mobile, nos Estados Unidos, dedicada a atender consumidores naquele país (e não pagar as taxas de represália impostas pelos EUA aos jatos da Bombardier). A Airbus já produz nessa mesma fábrica jatos da família A320.

A Bombardier entregou 17 aeronaves da família C Series em 2017 e prepara-se para dobrar esse volume neste ano. Os jatos canadenses já são operados pelas companhias aéreas Swiss, AirBaltic e Korean Air. A fabricante do Canadá estima que o mercado vai exigir cerca de 6 mil aeronaves desse segmento (de 100 a 150 assentos) nos próximos 20 anos.

Os jatos Bombardier C Series já estão em operação com três companhias aéreas (Divulgação)

Os jatos Bombardier C Series já estão em operação com três companhias aéreas (Divulgação)

“A força de toda a organização Airbus estará por trás do C Series. Isso não apenas permitirá que essa excepcional aeronave cumpra seu potencial de mercado, mas também estamos convencidos de que a adição do C Series à nossa oferta geral de aeronaves traz um valor significativo à Airbus, aos nossos clientes e acionistas”, disse Tom Enders, diretor executivo da Airbus.

“Esse momento marca o começo de um novo e empolgante capítulo para a C Series e a indústria aeroespacial canadense”, afirma Alain Bellamere, presidente e diretor executivo da Bombardier. “O alcance global incomparável da Airbus, suas fortes relações com clientes e perícia operacional são ingredientes necessários para deslanchar o valor completo da aeronave. Juntos, vamos trazer novos valores e oportunidades para companhias aéreas, fornecedores, acionistas e funcionários”.

A Airbus acrescentou que mais informações sobre a parceria com a Bombardier e o IQ serão divulgadas mais adiante. Uma dessas novidades pode ser a alteração dos nomes do jatos C Series, com as designações A210 e A230 para os atuais CS100 e CS300, respectivamente.

Veja mais: Airbus A320neo vira a “menina dos olhos” da Azul