A Força Aérea Brasileira espera receber o primeiro caça Gripen E ainda neste ano (Saab)

O terceiro protótipo do caça Gripen E, o modelo “39-10”, voou pela primeira vez nesta segunda-feira (10), em Linkoping, na Suécia, onde fica a sede da Saab. A aeronave realizou um voo de 57 minutos e retornou ao ponto de origem em segurança, informou a fabricante.

O teste com o terceiro modelo acontece quase dois anos após o voo inaugural do Gripen E, em 15 de junho de 2017, enquanto o segundo protótipo voou em novembro de 2018. As primeiras aeronaves serão entregues às forças aéreas do Brasil e Suécia até o final deste ano.


Falando durante o seminário anual sobre o projeto Gripen E, Eddy de la Motte, chefe da unidade de negócios da Saab responsável pelo novo caça, disse que a empresa pretende ter oito aeronaves da nova geração voando até o final de 2019, incluindo quatro exemplares de produção que estão em fase final de montagem. O executivo também acrescentou que fábrica em Linkoping é preparada com capacidade para finalizar 24 aeronaves por ano.

Cliente de lançamento do novo caça, a força aérea da Suécia receberá 60 unidades do Gripen E, enquanto a Força Aérea Brasileira (FAB) encomendou uma frota de 36 aeronaves, com 28 modelos E, para um piloto, e oito unidades da versão F, de dois lugares. No Brasil, o novo caça vai receber a designação F-39.

Como parte do programa de transferência de tecnologia da Suécia para o Brasil, parte dos caças destinados à FAB (15 aviões) serão finalizados da unidade da Embraer em Gavião Peixoto (SP). O primeiro Gripen fabricado no país tem entrega programada para junho de 2020.

O Brasil também será encarregado de completar o desenvolvimento do Gripen F, uma vez que a Suécia não encomendou a nova versão do caça para dois ocupantes. Modelos biposto são tradicionalmente usados para treinar novos pilotos, mas também podem manter a capacidade de combate com auxílio de mísseis e bombas ou equipamentos de guerra eletrônica.


Segundo o cronograma da FAB, o primeiro Gripen F fabricado no Brasil está programado para voar em outubro de 2021. Dos 15 caças que serão produzidos em Gavião Peixoto, sete deles serão da versão para dois pilotos.

Os primeiros caças da Saab que serão entregues ao Brasil e a Suécia neste ano ainda não serão modelos 100% operacionais. Os dois países vão receber versões FTI (Flight Test Instrumentation), aeronaves destinadas para mais testes de voo e a obtenção da certificação militar final. Os modelos com capacidade operacional completa devem chegar em meados de 2021.

Veja mais: Honduras negocia troca de aeronaves militares com o Brasil