O primeiro protótipo do jato russo MC-21 deve decolar somente em 2017 (UAC)

O rollout do MC-21 aconteceu em junho de 2016; a fabricante já produziu três protótipos (UAC)

Uma nova rodada de sanções econômicas dos Estados Unidos contra a Rússia acabou respingando na cadeia de fornecimento do jato comercial MC-21, da Irkut. Com a medida, o lançamento da aeronave, antes programado para o início do próximo ano, agora deve acontecer somente em 2021.

A nova data e o motivo foi anunciado pelo CEO do grupo Rostec, Sergey Chemezov, durante uma entrevista coletiva no dia 18 de fevereiro na feira militar IDEX, em Dubai, cita agência russa TASS. “Devido ao fato de que o americano pararam o fornecimento de materiais compostos, estamos mudando para nossos próprios materiais compostos”, disse Chemezov. “Devíamos ter a primeiro aeronave de série no final deste ano, agora ela será transferida para algum momento até o final de 2020”, completou.



A Rostec é um dos maiores conglomerados industriais de controle estatal da Rússia, com cerca de 700 empresas diferentes que atuam nos mercados civil e militar. Uma dessas divisões é a United Aircraft Corporation (UAC), que por sua vez dirige a Irkut Corporation, fabricante do MC-21. O jato voou pela primeira vez em maio de 2017 e a fabricante já produziu três protótipos e planeja construir mais três modelos para completar a companha de testes.

Os itens barrados são componentes de material composto da empresa americana Hexcel e a japonesa Toray, que fornecem itens pré-montados para as asas e o leme do MC-21. Com essa mudança, a Rostec contratou a empresa russa Rosatom para desenvolver e qualificar os materiais alternativos como um substituto, disse Chemezov ao Aviation Week, no mesmo evento em Dubai. O diretor também revelou que a Irkut ainda possui componentes para continuar a produção de seis aeronaves.

A Irkut planeja construir um total de seis protótipos do MC-21 para a campanha de testes (Irkut)

A Irkut planeja construir seis protótipos do MC-21 para a campanha de testes (Irkut)

Segundo o diretor da Rostec, a mudança de curso no programa do MC-21 com as sanções vai exigir mais um investimento de US$ 3,6 bilhões para completar a aeronave. Chemezov também afirmou que para evitar o impacto das medidas econômicas dos EUA será preciso dividir fábrica do jato comercial, produzido em Irkutsk, na Sibéria, onde também são montados caças Su-30 da Sukhoi, outra empresa da UAC.

Questionado sobre o fornecimento de motores da norte-americana Pratt & Whitney, Chemezov disse que espera que a empresa honre o contrato. O MC-21 é impulsionado pelo motor PW1400G, da mesma família de modelos usados em aeronaves como o Airbus A320neo e o Embraer E190 E2. De acordo com o executivo russo, os projetistas da UAC projetaram o primeiro lote do MC-21, entre 50 e 60 aviões, equipados com o motor PW.

O projeto do MC-21 também inclui o uso do turbofan russo PD-14 da United Engine Corporation, outra subsidiária da Rostec. “Nós já criamos nosso próprio motor e já temos todos os testes concluídos”, disse Chemezov.

O MC-21 é projetado pela Irkut, uma das divisões do grupo UAC (Divulgação)

O MC-21 é equipado com motores e aviônicos fabricados no Ocidente (Divulgação)

Resposta ao A320 e o 737

O MC-21, assim como o projeto chinês Comac C919, é proposto para concorrer com os aviões comerciais mais vendidos do mundo, a dupla Airbus A320 e o Boeing 737. E o jato russo chega com credenciais interessantes em um segmento que não recebe uma aeronave completamente nova há mais de 30 anos. O último foi o A320, em 1988.

Um dos pontos de destaque do MC-21 pode ser a cabine. A aeronave é projetada com capacidade de passageiros e alcance semelhante aos dos concorrentes no Ocidente (o MC-21-300 transporta entre 163 e 211 ocupantes e percorre 5.000 km), mas tem mais espaço. A cabine do jato russo é 11 centímetros mais alta que a do A320 e 27 cm comparada a do 737. O modelo da Irkut também ganha dos modelos da Airbus e Boeing em largura interna.

(Divulgação)

A versão MC-21-300 de estreia pode transportar até 211 passageiros (Divulgação)

Além dos motores da Pratt & Whitney, uma das principais fornecedoras de segmento no mundo, o MC-21 também foi equipado com uma série de aviônicos (controles de voo) de empresas consagradas do Ocidente, como a americana Honeywell e a francesa Thales. O jato russo também possuí controles 100% computadores (full fly-by-wire) e asas mais leves de fibra de carbono.

O uso de equipamentos de companhias tradicionais da aviação é uma estratégia da Irkut para tentar emplacar o jato no mercado de exportação. Além da eficiência já comprovada desses equipamentos em outras aeronaves, a parte de manutenção também pode ser facilitada aos operadores em diferentes partes do mundo.

(Divulgação)

O MC-21 é equipado com aviônicos de empresas consagradas do Ocidente (Divulgação)

A fabricante já quase 200 encomendas firmes pelo MC-21, a maioria esmagadora de empresas russas. O programa do jato russo também prevê outras duas versões, o MC-21-200, com capacidade entre 150 e 162 ocupantes, e o MC-21-400, para até 230 passageiros.

A Irkut ainda estima que o MC-21 é até 15% mais eficiente que os novos jatos A320neo e o 737 MAX e ainda tem a seu o favor o preço mais baixo, avaliado em cerca de U$ 91 milhões, cerca de US$ 26 milhões a menos que um 737 MAX 8 (e U$ 19 milhões a menos que um A320neo).

Veja mais: Fim do A380 abre espaço para novo “super avião” da Airbus