O caça Gripen F pode transportar dois tripulantes; esse tipo de avião é aplicado em treinamentos, mas também pode ser usado em combates (SAAB)

O Gripen F leva dois tripulantes; esse tipo de avião é aplicado em treinamentos, mas também pode ser usado em combates (SAAB)

De acordo com Lennart Sindahl, vice-presidente executivo da Saab, e chefe da divisão de aeronáutica da empresa, uma variante de guerra eletrônica baseada no Gripen F (biplace) deve ser desenvolvida nos próximos anos.

O executivo, que conversou sobre o assunto com Georg Mader, editor do Defence lndustry Bulletin, não deu muitos detalhes sobre o projeto, mas afirmou acreditar que o mercado terá, em breve, uma demanda por uma aeronave de ataque com capacidades de guerra eletrônica (EW), como faz atualmente o Boeing EA-18G Growler, única aeronave desse ramo em produção atualmente.


“Se analisarmos as perspectivas para o futuro da aviação de combate, uma espécie ‘Growler Gripen’ seria um grande diferencial em uma Força Aérea atualizada e cujas ameaças sejam reais”, afirmou Sindahl, salientado que “a SAAB está atenta às necessidades do mercado nesse segmento, enfatizando que essa é uma razões pela qual é muito bom ter o Brasil como parceiro no desenvolvimento do Gripen F.

O desenvolvimento do avião de guerra eletrônica pode ser uma forma da Saab aproveitar a plataforma do Gripen F, versão que está sendo desenvolvida somente para atender às necessidades da Força Aérea Brasileira (FAB). Aeronaves EW são operadas por pelo menos dois tripulantes, o piloto e o controlador de sistemas eletrônicos.

A função principal dessa nova variante do Gripen seria apoiar outras aeronaves de ataque, fornecendo cobertura eletrônica, além de dar combate a sistemas antiaéreos (SAM) adversários, similar ao desempenhado pelo Boeing EA-18G Growler, que é empregado pela Marinha dos EUA (US Navy) e pela Força Aérea Real Australiana (RAAF).

Segundo programação da FAB, os novos caças Gripen NG serão incorporados a partir de 2019 (SAAB)

Segundo programação da FAB, os novos caças Gripen NG serão incorporados a partir de 2019 (SAAB)

Guerra eletrônica


Muitos antes do primeiros tiros e lançamentos de bombas serem realizados em uma guerra moderna, entram em ação os aviões de guerra eletrônica. Essas aeronaves são equipadas com sistemas especiais que enganam radares e anulam o efeito de sensores de busca e ataque por meios de ataques eletromagnéticos. Esses aparelhos também podem interceptar comunicações do inimigo ou até mesmo cortá-las, impedindo ações de defesa combinada.

Fonte: Cavok

Veja mais: EUA planejam novo bombardeiro “invisível”