O Gripen Aggressor não possui sistema de armas reais (SAAB)

Somente para treinamentos: o Gripen Aggressor não possui sistema de armas reais (SAAB)

A Saab apresentou nesta terça-feira (12) na feira de defesa DSEI 2017, em Londres, na Inglaterra, o Gripen Aggressor, uma versão especial do caça para ser utilizada como “agressor” em treinamentos de combate aéreo. A aeronave é baseada no Gripen C, mas sem sistemas de armas reais – a versão comprada pela Força Aérea Brasileira é o modelo NG (ou E), a mais recente da série.

“Há uma grande diferença nas capacidades oferecidas pelos agressores no mercado hoje e qual é a necessidade para os próximos anos. Para treinar situações de combate, é preciso voar utilizando táticas avançadas de combate contra adversários iguais e similares como o Gripen Aggressor. Essencialmente, os pilotos de classe mundial precisam treinar contra adversários de classe mundial e esse é o Gripen Aggressor “, apontou Richard Smith, diretor de marketing e vendas do Gripen na Saab.



Aeronaves agressoras são utilizadas para atuar como uma força oposto em ensaios de combate militar avançado. Esses esquadrões usam táticas, técnicas e procedimentos similares ao de potenciais inimigos e assim fornecem um ambiente realista para que os pilotos mantenham suas capacidades afiadas.

Como explica o fabricante sueco, o Gripen Aggressor tem potencial para ser um adversário de alto nível dentro dos requisitos do Adversary Air (ADAIR) da Força Aérea dos Estados Unidos e do Air Support to Defence Operational Training (ASDOT) do Reino Unido, atualmente os principais centros de treinamento desse tipo.

Veja mais: Gripen completa voo abastecido com biocombustível