O primeiro A320 da Laudamotion após receber a pintura (Reprodução/Stefan Hartl)

A Laudamotion, nova companhia aérea fundada pelo ex-piloto de Fórmula 1 Niki Lauda, ainda nem iniciou suas operações e já está na mesa de negociações para vender parte de suas ações. A Ryanair, da Irlanda, anunciou nesta terça-feira (20) que comprará 24,9% da nova empresa austríaca e mais adiante pretende aumentar sua participação para até 75%. A negociação, que ainda depende da aprovação da União Europeia, é avaliada em 50 milhões de euros, o equivalente a R$ 208 milhões.

De acordo com a Ryanair, o investimento servirá para cobrir os custos operacionais da Laudamotion em seu primeiro ano e ajudá-la a se desenvolver. Além disso, a empresa irlandesa também vai prestar apoio financeiro e de gestão a nova companhia de Lauda e arrendar seis aeronaves para completar uma frota com 21 aparelhos.


O acordo mantém Niki Lauda como presidente da companhia e supervisor da implementação da estratégia para “criar uma companhia aérea austríaca de baixo custo”, diz a Ryanair em comunicado.

A Laudamotion, com sede em Viena, está sendo criada a partir de ativos da Niki, companhia que também foi fundada por Lauda e que era controlada pela AirBerlin, que pediu falência no final de 2017. O início das atividades da empresa do tri-campeão de F1 está programado para junho, durante o verão europeu, com voos partindo da Áustria, Alemanha e Suíça para destinos turísticos na Itália, Grécia e Espanha.

A Ryanair estima que a Laudamotion pode atingir a lucratividade até o terceiro ano de operação. Se for bem sucedido nesse período, o grupo irlandês ainda apontou que pode aumentar a frota da empresa para pelo menos 30 aeronaves – a Laudamotion vai voar com jatos Airbus A320.

“Estamos ansiosos para trabalhar em parceria com Niki Lauda para desenvolver com sucesso a sua visão de uma companhia aérea austríaca bem-sucedida e de baixa custo para atender aos mercados de voos regulares e fretamento”, afirmou Michael O’Leary, diretor executivo da Ryanair, .

“Sempre defendi a concorrência e me opus a monopólios. Por isso, estou entusiasmado com o fato de, na parceria com a Ryanair, a Laudamotion poder estabelecer-se como um forte concorrente e crescer de forma rápida e sustentável”, disse Niki Lauda.

Veja mais: Novo Boeing 737 MAX 7 completa primeiro voo