(Embraer)

A Republic Airways é o maior operador de E-Jets no mundo, com quase 190 aeronaves na frota (Embraer)

A Embraer está passando por uma semana bastante agitada. Depois de anunciar a entrega do E-Jet número 1.500 e confirmar pedidos firmes das companhias Air Kiribati e Azul pelos novos jatos E190-E2 e E195-E2, a fabricante desta vez assinou um contrato com a Republic Airways, dos Estados Unidos, que encomendou 100 exemplares do E175.

O acordo com a companhia norte-americana havia sido divulgado inicialmente no Farnborough Airshow, em julho, como uma “Carta de Intenção”. A encomenda firme tem valor de US$ 4,69 bilhões, nos atuais preços de lista, e será incluído na carteira de pedidos firmes (backlog) da Embraer do quarto trimestre de 2018. As entregas começarão em 2020.


Além do novo pedido firme, o contrato com a Republic Airways também inclui direitos de compra para 100 jatos E175 adicionais, com opções de conversão para o E175-E2, elevando o potencial da encomenda para até 200 E-Jets. Se todos os direitos de compra forem exercidos pela companhia, o valor da negociação pode chegar a US$ 9,38 bilhões.

“Esta encomenda representa um avanço significativo em nossa longa parceria com a Embraer, além de posicionar a Republic para competir pelas mais de 300 aeronaves regionais que esperamos que estejam em licitação nos próximos cinco anos, uma vez que os acordos de voos existentes expiram com nossos parceiros globais de código compartilhado”, disse Bryan Bedford, Presidente e CEO da Republic.

A Republic Airways é o maior operador de E-Jets do mundo, com uma frota composta por 188 aeronaves, entre modelos E170 e E175. Esses aviões, porém, voam com as cores de outras companhias, no caso a Delta Connection, United Express e American Eagle. A empresa americana é cliente da Embraer desde 1999, quando uma de suas ex-subsidiárias, a Chautauqua Airlines, recebeu seu primeiro ERJ 145 com a pintura da US Airways.

Com este novo contrato, a Embraer vendeu mais de 535 jatos E175 para companhias aéreas na América do Norte desde janeiro de 2013, sendo a responsável por mais de 80% de todos os pedidos neste segmento de jatos de 76 assentos.


Veja mais: Boeing e Embraer aguardam aprovação do governo brasileiro para formar parceria