O Typhoon: acordo com Suécia pode ser pontapé inicial para novo caça

Se França, Alemanha e Espanha decidiram se unir em torno do programa FCAS (Future Combat Air System), que dará origem ao sucessor dos caças Rafale e Typhoon, o Reino Unido encontrou um parceiro para compartilhar o desenvolvimento do seu projeto “Tempest”, a Suécia.

Embora o país não tenha (ainda) aderido ao projeto do caça britânico de 6ª geração, os suecos concordaram em desenolver em conjunto soluções avançadas que podem servir ao Eurofighter Typhoon e ao Saab Gripen e que também poderão ser usadas pelos seus futuros caças.


Na prática, a parceria irá reduzir custos para os dois países ao estipular futuros contratos em conjunto e a padronização de vários equipamentos e tecnologias. Por enquanto, a Suécia ainda não dá sinais de que pode se juntar aos britânicos no projeto e produção do Tempest, mas a parceria pode acabar atraindo a Saab, fornecedora da Força Aérea sueca.

União europeia

A Suécia, assim como o Reino Unido, é membro da União Européia, mas não adotou o Euro como moeda. O país tem uma longa tradição de independência no desenvolvimento de caças de combate, desde que o final da Segunda Guerra.

Caça Gripen: parceria deve proporcionar avanços ao jato

No entanto, o alto custo para criar um sucessor para o Gripen pode fazer com que a Suécia busque parcerias, sobretudo na Europa. É o que tem feito as fabricantes Airbus e Dassault à frente do programa para desenvolver um caça de 6ª geração para França, Alemanha e Espanha.


Parcerias europeias são comuns desde a Guerra Fria. Os britânicos e os franceses, por exemplo, desenvolveram o avião de ataque Sepecat Jaguar enquanto os alemães, italianos foram parceiros do Reino Unido no Panavia Tornado, outro avião de ataque europeu. O próprio Typhoon deveria ter se transformado em um caça europeu, porém, os franceses decidiram seguir sozinhos com o Rafale enquanto a Suécia não abriu mão de produzir o Gripen, sucessor do Viggen.

Por enquanto, essas nações seguem quase todas separadas, mas não será surpresa se no fim das contas uma união surgir, mais por questões financeiras do que técnicas.

Maquete do Tempest no Air Tatoo 2019: novo caça não faz parte do acordo

Veja também: Turquia é expulsa do programa de caças F-35