A KLM acaba de completar 100 anos de existência, a mais antiga companhia aérea ainda ativa no mundo (KLM)

No próximo dia 5 de dezembro, a Avianca comemorará nada menos que 100 anos de existência. Fundada com o nome de SCADTA (acrônimo para Sociedad Colombo-Alemana de Transportes Aéreos), a companhia aérea é a 2ª mais antiga do mundo ainda em atividade, perdendo por dias para a KLM, que comemorou seu centenário no mês passado. Tratam-se de vitoriosas por conta da alta taxa de mortalidade das empresas de transporte aéreo no mundo.

Graças às constantes oscilações de mercado e as margens apertadas de lucro, uma companhia aérea é um negócio difícil. Um ditado bastante antigo diz que se você quer ficar milionário transportando passageiros basta ser um bilionário. Muitas dessas empresas sobrevivem por períodos inglórios nas mãos de estados protetores que em muitos casos preferem não perder uma marca associada ao país, por exemplo.


Quando expostas a uma concorrência mais eficiente, no entanto, muitos nomes antes consagrados sucumbiram, como foi o caso da Pan Am, a companhia aérea mais famosa do mundo até os anos 90. Com sua imagem difundida por todos os continentes, a empresa fundada por Juan Trippe era uma espécie de “Coca-Cola” com asas, levando a imagem dos EUA para todos os cantos do globo. Mesmo assim, não suportou a desregulamentação da aviação e nem mesmo sua marca tão celebrada se transformou em algum ativo irresistível – pelo contrário, as tentativas de fazê-la renascer não foram adiante, um sintoma de que na aviação nome não significa muito.

No Brasil, essa realidade foi até mais doída. Se estivessem ativas, Varig e Cruzeiro do Sul estariam entre as 10 companhias aéreas mais antigas do mundo, mas anos de administrações precárias acabaram com as esperanças de mantê-las vivas. O mesmo ocorreu com outras empresas tão conhecidas como Vasp, Transbrasil, Real Aerovias e Panair. Hoje, o nome mais antigo em operação na aviação comercial brasileira é, quem diria, a Passaredo, fundada em 1995 – considerando que a TAM foi engolida por uma nova marca e se uniu à LAN na nova LATAM.

Mas, afinal, quais são as 10 companhias aéreas mais antigas ainda em operação?

1ª KLM – 7 de outubro de 1919

O nome oficial da empresa é Koninklijke Luchtvaart Maatschappij que em inglês significa Royal Dutch Airlines, também utilizado pela empresa holandesa dos aviões pintados em dois tons de azul. Fundada por um grupo de empresários, a KLM só realizou seu primeiro voo em maio de 1920 entre o extinto aeroporto de Croydon, no sul de Londres, para Amsterdam com um De Havilland DH-16, um biplano com quatro lugares. Hoje a companhia aérea faz parte do grupo Air France-KLM e transporta mais de 34 milhões de passageiros por ano com uma frota de cerca de 220 aviões.

O primeiro voo da KLM ligou um antigo aeroporto de Londres com Amsterdam (KLM)

2ª Avianca – 5 de dezembro de 1919

Como muitas iniciativas de transporte aéreo na América do Sul, a Avianca também surgiu com a ajuda de alemães. Com um Junkers F.13, a companhia realizou seu primeiro voo entre Barranquila e Puerto Colombia carregando malotes postais, mas na década seguinte já voava para os Estados Unidos. Após ser vendida para a Pan Am, a SCADTA se juntou à outra empresa colombiana que deram origem a Avianca, ou Aerovias Nacionales de Colombia nos anos 40. A companhia aérea colombiana, no entanto, quase desapareceu, da última vez em 2004 quando pediu concordata e acabou nas mãos do grupo Synergy. Como se sabe, os irmãos Efromovich conseguiram recuperar a situação da empresa no início, mas voltaram a colocar a Avianca em situação financeira delicada recentemente. De uma marca que se espalhava pelo continente, como na Argentina e no Brasil (utilizando sua imagem na OceanAir), a Avianca hoje só mantém a operação na Colômbia, nas mãos de sócios americanos, incluindo a United Airlines.

A Avianca nasceu como Scadta em 1919 (Domínio Público)

3ª Qantas – 16 de novembro de 1920

A companhia aérea cujo logotipo é um canguru estilizado foi fundada em 1920 na região de Queensland. Seu nome vem de Queensland and Northern Territory Aerial Services Limited e seu primeiro avião foi um Avro 504K, um dos biplanos mais produzidos na história e que nasceu com objetivos militares na Primeira Guerra Mundial. Com mais de 300 aviões e transportando anualmente cerca de 55 milhões de passageiros, a Qantas é a maior companhia aérea da Oceania e lançou um projeto de operar os voos mais longos do mundo, o Sunrise, com o qual deverá lançar rotas como Sydney-Nova York e Melbourne-Londres.

A Qantas estreou seu primeiro voo em 1920 (Qantas)

4ª Aeroflot – 3 de fevereiro de 1923

Ela que já foi a maior companhia aérea do mundo, é um caso à parte na aviação comercial. A Aeroflot foi um expoente da União Soviética, mas sobreviveu ao fim do comunismo e hoje é uma empresa com ações na bolsa de valores, embora ainda esteja passível de ingerências do governo Putin. Ao contrário de outras iniciativas do gênero, a Aeroflot surgiu de uma determinação do líder comunista Lenin para estabelecer o transporte aéreo no imenso país. Quando foi criada, a empresa era na verdade a própria aviação comercial vermelha. Com isso, ela assumia funções variadas de transporte de passageiros a aviação agrícola, sempre com os expoentes da indústria aeronáutica local como os populares Tu-154 e o Il-62. Hoje ela está transformada, com uma frota de jatos ocidentais que logo incluirá o A350.

Yak-40 usado pela Aeroflot no período da União Soviética (Domínio Público)

5ª Czech Airlines – 6 de outubro de 1923

Ao contrário das companhias citadas acima, a Czech Airlines foi fundada pelo próprio governo checoslováquio (na época os dois países ainda estavam unidos) com o nome de ČSA (Czechoslovak State Airlines). O primeiro voo ocorreu logo: menos de um mês depois de ser criada sua primeira rota era estabelecida entre Praga e Bratislava. Em 1939, no entanto, a empresa foi dissolvida por conta da guerra civil e logo em seguida à Segunda Guerra Mundial. Já sob o domínio soviético, o país foi unificado em 1948 e a ČSA voltou a voar. A influência da União Soviética proporcionou o fornecimento de aeronaves russas incluindo o Tupolev Tu-104, um dos primeiros jatos de passageiros do mundo e que transformou a companhia aérea em uma das três primeiras a operar esse tipo de avião no mundo. Com o fim da Checoslováquia no começo dos anos 90, a companhia foi rebatizada como Czech Airlines e nos últimos anos teve seu controle repassado para a iniciativa privada.

Ilyushin Il-12 da CSA, atual Czech Airlines

6ª Finnair – 1º de novembro de 1923

A Finnair surgiu em 1923 com o nome de Aero O/Y em uma sociedade entre um cônsul finlandês e outros sócios e a Junkers, fabricante alemã que forneceu seu primeiro avião, um monoplano F.13. O primeiro voo decolou em março de 1924 da capital Helsinki, para Tallinn, na Estônia, ou seja, do outro lado do Golfo da Finlândia. Após a Segunda Guerra Mundial, o governo finlandês adquiriu parte das ações da companhia aérea com a intenção de estabelecer voos mais longos. Em 1953, ela foi rebatizada como Finnair e até hoje é controlada pelo estado que detém mais de 55% de suas ações.

Aviões da Aero Y/A, nome anterior da Finnair (Domínio Público)

7ª Delta Air Lines – 2 de março de 1925

Uma das maiores companhias aéreas do mundo, a Delta teve um início carreira curioso. Ela foi fundada em 1925 como “Huff Daland Dusters” e tinha como serviço inicial voos agrícolas. A companhia só se transformou na Delta (Air Services, inicialmente) em 1928 quando foi comprada por C.E. Woolman que homenageou o delta do rio Mississipi. Conhecida por seu imenso hub em Atlanta, a Delta só transformou a cidade em sua sede em 1941 e quatro anos depois alterou sua denominação para a atual Delta Air Lines. Sua fase de expansão começou na década de 50 quando passou a incorporar outras companhias e a ser a pioneira em operar alguns jatos como o DC-8 e o Convair 880. Em tempos mais recentes, a companhia cresceu como nunca sobretudo ao comprar da Pan Am as rotas para Europa e assumir a Northwest, e com ela toda uma malha para o Pacífico.

Avião da Duff Daland Dusters, que deu origem à Delta Air Lines (Ad Meskens)

8ª Grand Canyon Airlines – 1927

A pequena Grand Canyon Airlines é uma empresa que oferece voos panorâmicos nos EUA desde 1927. Nascida com o nome de Scenic Airways, a companhia sediada no estado do Arizona iniciou seus voos com um Ford Trimotor e o monomotor Stinson Detroiter, ambos com asa alta e que facilitava a observação dos cânions pelos seus passageiros. Atualmente, a empresa conta com uma frota de turbo-hélices também de asa alta, o De Havilland Canada DHC-6 Twin Otter e o conhecido Cessna 208B Caravan.

Especializada em voos panôramicos sobre o Grand Canyon, a empresa nasceu em 1927 (GCA)

9ª Air Serbia – 17 de junho de 1927

Como ocorreu com várias iniciativas nos primórdios da aviação, a Air Serbia também estreou com outro nome, Aeroput. Atual companhia aérea de bandeira da Sérvia, a empresa se estabeleceu em Belgrado em 1927 ainda nos tempos do Reino da Iugoslávia, país que tornou-se comunista após a Segunda Guerra e que, com o fim da Cortina de Ferro, sofreu com a guerra civil que o dissolveu em diversas repúblicas a partir de 1992. Nesse período, a Air Serbia teve seu nome mudado para JAT Jugoslovenski Aerotransport e curiosamente passou a utilizar aviões ocidentais na década de 60 como o Sud-Aviation Caravelle, o DC-9 e os Boeing 707 e  727, entre outros. A companhia mudou de nome em 2003 passando a se chamar JAT Airways e representar a então Sérvia e Montenegro. Em 2013, já com Montenegro separado da Sérvia, a JAT teve parte das suas ações assumidas pela Etihad e seu nome passou a ser Air Serbia. Com duas dezenas de aviões, a companhia aérea transportou 2,5 milhões de passageiros em 2018.

Atual Air Serbia, a companhia nasceu como JAT ainda nos tempos da Iugoslávia (Aero Icarus)

10ª Iberia – 28 de junho de 1927

A Iberia é um dos nomes mais antigos da aviação comercial. A empresa foi fundada em 1927 como parte de uma sociedade de um investidor espanhol e a Deustsche Luft Hansa (DLH), primeira companhia de bandeira alemã, criada no ano anterior e que foi extinta em 1945 (e cujo nome foi comprado pela Luftag, atual Lufthansa, em 1954).  Apesar de um início promissor, a empresa deixou de voar em 1929 mas manteve-se viva até que em 1937, durante a guerra civil espanhola, ela foi reativada pelo governo nacionalista com aeronaves alemãs. Em 1940, a Iberia passou a ter o monopólio do transporte aéreo na Espanha por alguns anos, o que a ajudou a crescer no período, incluindo estabelecer os primeiros voos regulares entre a Europa e a América do Sul em 1946. Desde 2001, quando foi privatizada, passou a fazer parte do grupo IAG, que reúne outras empresas como a British Airways e a Aer Lingus.

O Rohrbach R-VIII Roland, um dos primeiros aviões da Iberia (Divulgação)

96 anos de história

Até janeiro deste ano, a lista acima contaria com uma ilustre desconhecida, a Tajik Air, da ex-república soviética Tajiquistão. Mas a empresa, criada em 1924, fechou as portas por não suportar a concorrência com a novata Somon Air. Nesse longo período, ela foi uma divisão da Aeroflot e operou de forma independente a partir do fim da União Soviética, em 1991, quando passou a voar com aviões ocidentais como os Boeing 737, 757, 747 e 767.

Tu-154 da Tajik Air: falência de uma das mais antigas cias aéreas do mundo ocorreu em 2019 (Igor Dvurekov)

Centenário de mentirinha

Os mais atentos certamente terão percebido a ausência da British Airways nesse ranking afinal a companhia aérea britânica comemorou seu centenário em 2019. No entanto, a BA foi criada em 1974 após a nacionalização e posterior junção das famosas BOAC (British Overseas Airways Corporation) e BEA (British European Airways), além de duas outras companhias pequenas. Suas origens, no entanto, remontam a 1919 quando duas empresas, a Handley Page Transport e a Instone Air Line, foram criadas e posteriormente absorvidas pela Imperial Airways em 1924. A BOAC acabou sendo criada com a fusão da Imperial com a Allied British Airways em 1939 e assim a ligação da atual BA com as pioneiras companhias aéreas do Reino Unido explica os simbólicos 100 anos da empresa.

(Divulgação)

A British Airways comemorou seu “centenário” este ano, somando a idade de antigas empresas como a BOAC (Divulgação)

Veja também: As companhias aéreas que voltaram do além