O jato supersônico Boom é projetado para voar a 2.335 km/h com 55 passageiros (Divulgação)

O jato supersônico Boom é projetado para voar a 2.335 km/h com 55 passageiros (Divulgação)

A companhia aérea Qatar Airways, do Catar, manifestou recentemente seu interesse por viagens com aviões comerciais supersônicos. Falando a imprensa durante a cerimônia de entrega do primeiro jato Airbus A350-1000, na semana passada em Toulouse, na França, Akbar Al Baker, presidente-executivo da empresa, contou que o grupo está “muito interessado” na ideia e estaria disposto a comprar um “pequeno número” dessas aeronaves.

“O Catar está muito interessado em projetos desse tipo”, disse Al Baker, ao FlightGlobal. “Não hesitaria em ser um cliente de lançamento”, completou.



O executivo, sem citar nomes de fabricantes, ainda falou sobre o interesse da companhia em uma aeronave supersônica com espaço para cerca de 45 passageiros, o que é uma clara referência ao projeto da Boom Technology, empresa dos Estados Unidos que trabalha no desenvolvimento de um jato supersônico justamente com essa capacidade de ocupantes mencionada por Al Baker.

O presidente da Qatar, porém, acrescentou que qualquer compromisso sobre esse tema ainda depende de uma análise mais profunda, em especial sobre a motorização da aeronave. “O problema reside na motorização, que ainda não encontrou uma solução”, afirmou.

No passado, nos tempos do Concorde, o maior empecilho dos voos supersônicos era o alto consumo de combustível, que eventualmente tornou inviável esse tipo de operação na aviação comercial. O clássico jato anglo-francês, que teve apenas dois clientes (Air France e British Airways) e 14 unidades de série fabricadas, foi operado entre 1976 e 2003.

Retorno dos aviões comerciais supersônicos

O avião projetado pela Boom é atualmente o principal candidato a retomar os voos supersônicos na aviação comercial. A aeronave é projetada para transportar entre 45 e 55 passageiros a uma velocidade máxima de 2.335 km/h (mach 2,2), mais de duas vezes a velocidade do som, com autonomia de 7.400 km, desempenho superior ao do Concorde – que por sua vez era maior, com espaço para até 120 ocupantes. O lançamento do modelo é esperado para meados de 2023.

A empresa americana já conta com mais de 70 pedidos pelo futuro avião comercial supersônico que ainda nem voou. As principais companhias que já anunciaram encomendas e investimentos na aeronave são o grupo Virgin, do bilionário britânico Richard Branson, e a Japan Airlines, do Japão.

Veja mais: Primeiro voo supersônico completa 70 anos