O A380 é um dos aviões da Qantas que operam os longos voos entre a Austrália e os EUA (Qantas)

O A380 é um dos aviões da Qantas que operam os longos voos entre a Austrália e os EUA (Qantas)

A companhia australiana Qantas anunciou na última semana seu plano de utilizar aeronaves abastecidas com biocombustível em rotas entre cidades da Austrália e Los Angeles, nos Estados Unidos, a partir de 2020. A expectativa da empresa é reduzir em cerca de 50% as emissões de carbono dos aviões nesses trechos.

O combustível alternativo é uma combinação de 50% de querosene convencional com a outra metade de biocombustível produzido a partir de “óleos de plantas não alimentícias”, como explica a SG Preston, dos EUA, fornecedor do combustível e parceiro da companhia australiana no projeto.



A empresa ainda anunciou que, nos próximos dez anos, comprará oito milhões de galões (30 milhões de litros) de combustível renovável para jatos da SG Preston por ano.

“Nosso acordo com a SG Preston nos permite garantir um fornecimento para nossos aviões baseados em Los Angeles, onde temos uma grande demanda de combustível e onde a indústria de biocombustíveis está mais avançada”, comentou Gareth Evans, CEO da Qantas.

Jatão com biocombustível

A Qantas voa atualmente para Los Angeles a partir Brisbane, Melbourne e Sydney, na Austrália. Os longos voos, que podem ter até 15 horas de duração, são realizados com os jatos Boeing 747-400, nas duas primeiras rotas, e com o gigante A380 na terceira.

A Qantas também voa da Austrália para Los Angeles com o 747-400 (Qantas)

A Qantas também voa da Austrália para Los Angeles com o 747-400 (Qantas)

A companhia da Austrália, como muitas outras nestes ano, trabalha para desativar sua frota de 747 em breve, substituindo os antigos quadrimotores pelo novo bimotor Boeing 787-9. A primeira entrega do 787 da Qantas é programada para este ano.

A Qantas, porém, não informou em qual aeronave ou a rota que o combustível especial será utilizado.

O 787 da Qantas já está pronto, só falta entregar... (Qantas)

O 787 da Qantas já está pronto, só falta entregar… (Qantas)

Não é de comer

Detalhada em sua explicação, a Qantas afirma que o biocombustível preparado para os seus jatos é “quimicamente equivalente” ao combustível fabricado a partir de petróleo e cumpre os mesmo padrões técnicos, de desempenho e de segurança.

A SG Preston ainda não revela a fonte exata da matéria-prima vegetal usada na fabricação do combustível. Em vez disso, afirma apenas que é biocombustível é produzido a partir de óleos extraídos de plantas que não competem com a produção de alimentos.

O combustível para jatos renováveis é quimicamente equivalente a, e cumpre os mesmos padrões técnicos, de desempenho e de segurança que o combustível de jato convencional. O biocombustível da SG Preston é produzido a partir de óleos de plantas renováveis, que não competem com a produção de alimentos e que atendem aos rigorosos requisitos de certificação de sustentabilidade da Qantas.

Veja mais: Caça Gripen completa voo abastecido com biocombustível