O A380 é um dos aviões da Qantas que operam os longos voos entre a Austrália e os EUA (Qantas)

O A380 é um dos aviões da Qantas que operam os longos voos entre a Austrália e os EUA (Qantas)

Em mais um revés na carreira do Airbus A380, a companhia aérea Qantas Airways, da Austrália, cancelou o pedido das 8 unidades remanescentes do “superjumbo” de sua encomenda original efetuada em 2006. Nos últimos anos, executivos da empresa já vinham afirmando que não pretendiam receber essas aeronaves. A Qantas opera atualmente 12 unidades do A380.

Os 8 jatos A380 remanescentes do pedido da Qantas já foram removidos do site de pedidos e entregas da Airbus, onde agora constam 79 encomendas pelo maior avião de passageiros do mundo. Desta forma, a fabricante europeia agora tem apenas quatro clientes à espera de novas unidades da aeronave: as empresas de leasing Amedeo e Air Accord e as companhias aéreas ANA e Emirates, maior cliente do modelo e que também cogita cancelar seus pedidos. No ano passado, a companhia britânica Virgin Atlantic já havia cancelado seu pedido por 6 aviões.


“Após discussões com a Airbus, a Qantas formalizou sua decisão de não tomar oito A380 adicionais encomendados em 2006”, disse a companhia aérea em comunicado. “Essas aeronaves não fazem parte da frota da companhia aérea e dos planos de rede há algum tempo.”

A empresa australiana, entretanto, disse que continua comprometida com a atualização de sua frota de jatos A380, que deve ser iniciada ainda neste ano. A Qantas afirma que a modernização é essencial para manter as aeronaves operando no futuro. Ou seja, a companhia ainda não pretende se desfazer das aeronaves ou reduzir o número de unidades em serviço, como já fez a Singapore Airlines – dois aviões que eram utilizados pela companhia asiática serão desmontados.

A Qantas também segue firme em seu plano de desativação dos jatos Boeing 747 em sua frota, que serão totalmente substituidos por modelos 787-9 até o final de 2020.

A Airbus e a Boeing estão competindo para atender uma exigência da Qantas por uma aeronave widebody (dois corredores) com alcance ultralongo capaz de voar de Sydney a Londre ou a Nova York sem escalas.


Veja mais: Azul planeja receber 21 aviões de nova geração em 2019