O primeiro foi realizado três meses após o "roll-out", a apresentação da aeronave (Embraer)

A nova geração do Embraer E190 tem comandos computadorizados e motores mais eficientes (Embraer)

A nova geração do jato E190 decolou pela primeira vez nesta segunda-feira (23), no aeroporto de São José dos Campos (SP), onde fica a fábrica da Embraer. A aeronave é o primeiro protótipo do programa E-Jets E2, e está adiantado: voo inaugural estava programado para o segundo semestre deste ano.

O avião decolou às 13:06, hora local, das instalações da Embraer em São José dos Campos e voou durante três horas e 20 minutos. Com o voo inaugural a fabricante também iniciou a campanha de certificação do E190-E2, primeiro de três novos jatos da segunda geração de E-Jets. A nova aeronave fabricada no Brasil está programado para entrar em serviço em 2018.


“Um primeiro voo é sempre uma ocasião emocionante, não importa quantos você testemunhe ao longo dos anos. Neste caso em particular, não estamos apenas mantendo as nossas promessas ao mercado, mas indo além, estando adiantados alguns meses em relação ao programado. Quero agradecer a todos os funcionários da Embraer que estão participando neste projeto”, disse Frederico Fleury Curado, presidente da Embraer.

O comandante Mozart Louzada, da Embraer, pilotou a aeronave junto com o co-piloto Gerson de Oliveira Mendes. Também participaram do voo os engenheiros de voo Alexandre Figueiredo e Carlos Silveira.

Como explicou a Embraer, o primeiro voo serviu para a tripulação avaliar as características de controle e desempenho da aeronave, e analisar um número significativo de parâmetros, como velocidade, altitude e retração do trem de pouso.

O avião que voou hoje é o primeiro de quatro protótipos que serão utilizados no programa de certificação do E190-E2. Duas aeronaves adicionais serão usadas no processo de certificação do E195-E2, previsto para entrar em serviço em 2019. Outras três aeronaves serão utilizadas para certificar o E175-E2, programado para entrar em 2020.

Avião “hi-tech”

O E190-E2 tem o mesmo número de assentos do atual E190, podendo ser configurado com 97 lugares em duas classes de serviço, ou 106 em classe única, e tem alcance estendido em 800 quilômetros (400 milhas náuticas) em relação ao modelo atual, permitindo aos operadores voar rotas com mais de 5.000 km.

O novo E190 também possui controles de voo totalmente computadorizados (é o chamado full fly-by-wire), o que aumenta significativamente o nível de automação da aeronave. Em vez de cabos e mecanismos hidráulicos, os comandos são acionados por atuadores elétricos.

Além do E190-E2, a Embraer também trabalha nos novos modelos E175 e E195 (Embraer)

Além do E190-E2, a Embraer também trabalha nos novos modelos E175 e E195 (Embraer)

Outras novidades no projeto é a asa de maior envergadura, com cerca de cinco metros a mais, e os motores Pratt & Whitney da nova família PurePowerTM. Com essas duas soluções, aliados aos novos comandos fly-by-wire, o consumo de combustível da aeronave poderá melhorar em mais de 20%.

Desde que o programa dos E-Jets E2s foi lançado, em junho de 2013, a Embraer registrou 267 “pedidos firmes” (quando o cliente já pagou pela aeronave) e outras 373 opções de compra.

Veja mais: Futuro caça da FAB, novo Gripen é apresentado na Suécia