Uma série de componentes do KC-390 são produzidos em Portugal, pela Embraer e a OGMA (FAB)

Uma série de componentes do KC-390 são produzidos em Portugal pela Embraer e a OGMA (FAB)

O ministro da defesa de Portugal, Azeredo Lopes, anunciou nessa segunda-feira (4) que as negociações entre o governo português com a Embraer para a compra de cargueiros militares KC-390 estão na fase final. O país pretende adquirir até cinco aeronaves e um simulador de voo para treinamentos.

“Estamos a concluir as negociações, se me pergunta uma data precisa não lhe vou dar, evidentemente”, disse o ministro, em entrevista ao jornal português Diário de Notícias. Assim como a Força Aérea Brasileira (FAB), os portugueses também planejam substituir seus antigos cargueiros turbo-hélice C-130 Hercules pelo novo avião da Embraer.



Portugal é um dos parceiros estratégicos no programa KC-390. Uma série de componentes da aeronave são construídos no país na unidade da Embraer em Évora e também pela OGMA, a maior empresa aeronáutica portuguesa – e hoje controlada pela Embraer.

Em maio de 2017, o Conselho de Ministros de Portugal aprovou o início das negociações com a Embraer para a aquisição das aeronaves. Ainda não foram divulgados valores ou previsões de entregas dos aviões aos portugueses.

Até o momento, o único comprador confirmado do KC-390 é a FAB, que deve receber os primeiros de seus 28 exemplares encomendados no final deste ano. A previsão é que todos as aeronaves sejam entregues no prazo de 12 anos.

Outros países que já assinaram “carta de intenção” de compra do KC-390 são a Argentina, Chile, Colômbia e República Tcheca.

Veja mais: Grupo chinês encomenda 300 jatos da COMAC