Uma série de componentes do KC-390 são produzidos em Portugal, pela Embraer e a OGMA (FAB)

Uma série de componentes do KC-390 são produzidos em Portugal, pela Embraer e a OGMA (FAB)

O ministro da defesa de Portugal, João Gomes Cravinho, anunciou nesta quinta-feira (11) a aprovação da compra de cinco aeronaves militares KC-390 da Embraer para equipar a Força Aérea Portuguesa (FAP). O país vai pagar 827 milhões de euros (cerca de R$ 3,4 bilhões) pelos aviões, conforme prevê a Lei de Programação Militar mais recente do país, aprovada há poucas semanas. O contrato também suporte de manutenção do fabricante por 12 anos e um simulador de voo para treinamentos.

Ainda de acordo com o ministro, o primeiro avião deve ser entregue à FAP em fevereiro de 2023, dois anos depois do prazo previsto originalmente. De acordo com o novo cronograma, as demais aeronaves serão entregues ao ritmo de uma por ano, até fevereiro de 2027.


A força aérea de Portugal será o segundo cliente do KC-390, depois da Força Aérea Brasileira, que deve receber sua primeira unidade nas próximas semanas.

“A Força Aérea Portuguesa definiu, num trabalho de comparação com todas as outras aeronaves, que esta era a mais interessante“, disse o ministro da defesa de Portugal, em conferência realizada nesta manhã.

Assim como no Brasil, o objetivo de Portugal com a aquisição do KC-390 é subtituir a antiga frota de turbo-hélices C-130 Hercules, da norte-americana Lockheed Martin. A FAP possui atualmente quatro Hercules em serviço e eles devem continuar em operação por mais uma década.

A força aérea de Portugal conta atualmente com quatro C-130 Hercules em serviço (Pedro Aragão)

Portugal é uma dos parceiros estratégicos no programa de desenvolvimento do KC-390. Uma série de componentes da aeronaves são produzidos na fábrica da Embraer em Évora e pela OGMA, em Alverca. Outros países que participam do projeto são a Argentina e República Tcheca.


Veja mais: Embraer apresenta novo “avião-radar” baseado no Praetor 600