(Divulgação)

A Cirrus é o principal fabricante de aviões equipados com paraquedas balístico (Divulgação)

O sistema de paraquedas de aviões criado pela BRS Aerospace salvou recentemente mais duas vidas e superou a marca de 400 pessoas salvas graças ao dispositivo. “Este marco e todas as vidas salvas são um testemunho de Boris Popov, que concedeu a ideia e cuja visão para a empresa que ele fundou superou a resistência inicial de alguns pessimistas à ideia do paraquedas de avião”, disse Enrique Dillon, diretor da BRS.

O último incidente que exigiu o acionamento do dispositivo, também conhecido como paraquedas balístico, ocorreu em 5 de março, quando o piloto de um monomotor Cirrus com pane no motor acionou o paraquedas enquanto voava sobre o mar a mais de 30 km da ilha Grand Turk, no Caribe. Tanto o piloto como o passageiro que estava a bordo não ficaram feridos e logo foram resgatados por um navio de cruzeiro que navegava pela região.


O sistema é acionado por um foguete que faz o paraquedas abrir acima da aeronave para desacelerá-la em voo e depois controla sua descida até o solo. O equipamento é montado normalmente na parte central da fuselagem do avião e seu acionamento pode ser manual ou automático. O fabricante mais conhecido por usar o dispositivo da BRS é a Cirrus Aircraft, que disponibiliza o recurso para toda sua linha de aeronaves, incluindo o jato Vision.

Com mais de 30.000 sistemas instalados nos últimos 35 anos em aviões, incluindo modelos experimentais, aeronaves certificadas e instrutores militares, a BRS diz que aproximadamente um de cada 120 paraquedas foi acionado como último recurso. “Enquanto esperamos que os pilotos nunca encontrem uma situação preocupante, nos saudamos a BRS Aerospace pelas 400 vidas que seus sistema de paraquedas salvou quando algo deu errado no ar”, disse Pete Bunce, presidente e CEO da GAMA (Associação de Fabricantes da Aviação Geral).

“A ideia de salvar uma aeronaves inteira por meio de um sistema de paraquedas implantável é uma invenção engenhosa que merece seu lugar na história da aviação mais segura”, disse Richard McSpadden, diretor executivo do Instituto de Segurança Aérea da AOPA (Associação de Pilotos e Proprietários de Aeronaves). “A BRS foi pioneira no conceito em aviões certificados e merece reconhecimento por oferecer uma inovação que provou ser um marco substancial na evolução contínua da segurança na aviação.”


Veja mais: Brasil ficou perto de comprar caças MiG-21 feitos na China