Irkut MS-21: jato comercial russo quer brigar como Boeing 737 e Airbus A320

Irkut MS-21: jato comercial russo quer brigar como Boeing 737 e Airbus A320

A presença brasileira no mercado de aviões de passageiros pode ir além da bem sucedida Embraer. Uma negociação entre o governo do Paraná e a estatal russa UAC (United Aircraft Corporation) pretende instalar uma fábrica para produzir peças do novo jato comercial que a Rússia desenvolve, o MS-21.

Desenvolvido pela Irkut Corporation e Yakovlev Design Bureau, o MS-21 (ou MC-21 em russo) é uma aeronave comercial a jato com capacidade para 150 a 212 passageiros (ou 162 a 230, em alta densidade), ou seja, maior que o Embraer 195, nosso maior jato civil.


Atualmente, dois protótipos de estão sendo construídos. Ambos serão empregados no programa testes e certificação da aeronave, cujo voo inaugural está previsto para ocorrer em meados de 2016.

No último dia 25 de agosto, durante a MAKS 2015, a Pratt & Whitney anunciou a entrega do primeiro motor PW1400G-JM para a Irkut. O MS-21 irá competir no mesmo segmento que o Airbus A320 e Boeing 737, hoje os jatos mais vendidos no mundo. O projeto tem sido executado com bastante otimismo e, segundo analistas, pode consolidar a Rússia como player global no mercado de aeronaves comerciais.

O MS-21 já conta com 170 encomendas firmes, com opções para mais 100 unidades adicionais. As primeiras entregas devem ocorrer em 2018. Estão previstas três variantes da aeronave, com modelos básicos e de alcance estendido.

Assinatura de acordo com o governo paranaense pôs o Brasil na rota do jato russo

Assinatura de acordo com o governo paranaense pôs o Brasil na rota do jato russo

Perspectivas de negócios para o Brasil

O Governo do Estado do Paraná, com o apoio da Agência Paraná de Desenvolvimento (APD), assinou um acordo com a fabricante de aeronaves russa Irkut para implantar em Maringá unidades de fabricação de peças e partes de aeronaves e centros de operação para atender o Brasil e a América Latina.

O governo definiu Maringá e região como áreas para a implantação de um polo de aeronáutica e defesa e propôs incentivos para viabilizá-la. Chamada de Paraná Aéreo, a lei garante benefícios diferenciados para empresas de projeto, engenharia, manutenção, peças e montadoras de aeronaves civis e militares.

A empresa russa acredita no sucesso do jato, apesar da falta de tradição comercial do país nesse mercado.

Segundo o vice-presidente da Irkut, Kirill Budaev, o MS-21 é uma nova classe de aeronave cuja flexibilidade das estruturas permite se adaptar às necessidades das companhias aéreas. O executivo afirmou ainda que o avião da Irkut reduz em 24% o gasto com combustível, em 10 % a manutenção, em 20% o tempo com embarque e desembarque; ao mesmo tempo carrega 17% mais passageiros que outras aeronaves da mesma categoria.

“O MS-21 apresenta alto desempenho de voo com menor consumo de combustível frente a seus concorrentes. Isso permite que as companhias aéreas obtenham um lucro três vezes maior e um retorno de investimento em metade do tempo do que o comparado com outros aviões”, detalha Budaev.

De acordo com os engenheiros responsáveis pelo projeto, o diferencial do MS-21 será seu peso reduzido devido ao uso de materiais de última geração, aerodinâmica aperfeiçoada e motor avançado.

Como será a cabine do MS-21 em configuração executiva (foto: Alex Beltyukov)

Como será a cabine do MS-21 em configuração executiva (foto: Alex Beltyukov)

Sucessor dos velhos Tu-154

O CS-21 faz parte de uma ofensiva bem mais ampla do governo russo para criar uma linha de jatos comerciais capaz de fazer frente a Boeing e Airbus. Com um território imenso e uma frota de jatos antiga baseada em modelos da ex-União Soviética como o Tupolev TU-154, a Rússia teria demanda para justificar um avião local. Para aumentar as chances do projeto, os chineses também participam do desenvolvimento de alguns modelos.

O que joga contra o interesse russo é o fato de o país e suas empresas nunca terem estabelecido um relacionamento comercial mais adequado com clientes sobretudo no pós-venda. Mesmo com alguns aviões recebendo partes do Ocidente, como aviônicos e motores, nem por isso conseguiram furar o bloqueio dos fabricantes tradicionais.

Veja também: Rússia prepara avião para o juízo final

Outra nuvem de incertezas vem do fato de a Irkut não revelar quem seriam os clientes dos 170 jatos já encomendados. Como se vê, ainda há um longo caminho para que o projeto decole de verdade.

Colaborou Ricardo Meier