O MC-21 tem a mesma capacidade do A320 e o Boeing 737: varia de 163 a 211 passageiros (Divulgação)

O MC-21 tem a mesma capacidade do A320 e o Boeing 737: varia de 163 a 211 passageiros (Divulgação)

O programa de desenvolvimento do jato comercial MC-21, da fabricante russa Irkut, já começa a dar provas de maturidade. A aeronave realizou nessa terça-feira (17) um voo entre a sede da empresa, em Irkutsk, até Zhukovsky, onde fica a base da Rostec Corporation, grupo industrial que fornece uma série de componentes para o novo avião.

De com o fabricante, o MC-21 completou a viagem de 4.500 km em um voo sem escalas que durou 6 horas. A Irkut ainda contou que o teste foi realizado a altitude de 10.000 metros e “um grande número de sistemas da aeronave” foram avaliados.



“O voo foi realizado com o avião em ‘modo de rotina’. Todos os sistemas estavam operando suavemente “, informou o comandante do voo Oleg Kononenko, que detém o título honorário do “herói da Rússia” e hoje é piloto de testes do grupo UAC, do qual a Irkut faz parte.

O MC-21 é uma nova proposta para o segmento dos jatos narrowbody (de fuselagem estreita), categoria com a maior participação na aviação comercial mundial e dominada há 30 anos pela dupla Airbus A320 e Boeing 737. Não só isso, impulsionada principalmente pelo crescimento dos mercados asiáticos, o nicho vai crescer ainda mais: segundo estimativas das fabricante, companhias aéreas do mundo todo vão precisar de 5.500 novas aeronaves desse tipo nos próximos 20 anos.

O jato russo, que voou pela primeira vez em maio deste ano na versão MC-21-300, é projetado para transportar de 163 a 211 passageiros de acordo com os arranjos de assentos. Esses números são praticamente iguais aos dos tradicionais A320 e o Boeing 737-800 (ou os novos A320neo e 737 MAX 8). O alcance de voo MC-21 também é semelhante aos dos jatos campeões de venda da categoria, na faixa dos 6.000 km.

Cerca de 30% do MC-21 é construído com materiais compostos, mais leves (Irkut)

Cerca de 30% do MC-21 é construído com materiais compostos, mais leves (Irkut)

O que o MC-21 tem de diferente?

No ponto de vista de tecnologias, o MC-21 é um projeto que pode surpreender. Cerca de 30% da aeronave, incluindo grande parte das asas, é construída com materiais compostos, mais leves e resistentes que ligas metálicas, uma característica inédita na categoria. O jato ainda é controlado por um novo sistema de comandos fly-by-wire do tipo “full”, com todas as superfícies de controle do avião acionadas eletronicamente e não por sistemas mecânicos.

Buscando maior atração do projeto no Ocidente, a Irkut oferece o MC-21 com uma opção de motor desenvolvido pela Pratt & Whitney nos Estados Unidos, empresa que também fornece motores para os aviões mais recentes da Airbus e Embraer. Essa escolha pode facilitar os trabalhos de manutenção da aeronave em mercados ainda pouco explorados por empresas da Rússia.

O motor “ocidental” do MC-21 é o PW1400G, parte de uma nova safra de motores de última geração, projetados para consumir menos combustível e serem mais silenciosos. A outra opção de motorização será o PD-14 fabricado pela United Engine-Building Corporation, na Rússia.

Os sistemas de controle fly-by-wire do MC-21 estão entre os mais avançados do mundo (Irkut)

Os sistemas de controle fly-by-wire do MC-21 estão entre os mais avançados do mundo (Irkut)

Comparando com os principais jatos no segmento dos narrowbody, a fabricante russa afirma que o MC-21 terá custos de manutenção 20% mais baixos e consumo de combustível 15% menor. Até o momento, a Irkut tem cerca de 260 aviões encomendados, entre pedidos firmes e opções de compra, a maioria de empresas da Rússia – as únicas exceções estrangeiras na lista de pedidos são uma empresa do Egito e outra do Azerbaijão.

A Irkut tem uma meta ambiciosa para o lançamento comercial do MC-21 e pretende completar os processos de testes e certificações da aeronave até 2019. Esse é o ano programado pela fabricante para entregar os primeiros MC-21 à companhia russa Aeroflot, que tem um pedido por 50 aeronaves.

Alta demanda, poucos fabricantes

Mercados emergentes, grandes frotas com tempo de vida expirando, companhias com projetos de expansão. A aviação comercial vai precisar de uma enorme quantidade de novas aeronaves nos próximos 20 anos, estimada em cerca de 5.500 aeronaves somente no segmento dos jatos de fuselagem estreita, onde briga o MC-21.

São muitos aviões para apenas duas fabricantes, ou três, ou quatro… Além da Irkut da Rússia, outra novata que busca seu espaço no concorrido segmento é a COMAC, da China, com o projeto do jato comercial C919.

A COMAC C919 é projetado para competir com os tradicionais A320 e 737 (VM2008)

A COMAC C919 é projetado para competir com os tradicionais A320 e 737 (VM2008)

Diferentemente do modelo russo, já em fase de testes avançados, o jato chinês ainda tropeça nos prazos e pouco apresentou nos poucos voos que realizou até o momento – no período de cinco meses o C919 voou apenas duas vezes. Ainda otimista e contrariando as previsões de especialistas do Ocidente, a COMAC acredita que pode entregar as primeiras unidades do avião em meados de 2020.

A exemplo do MC-21, com as encomendas iniciais de empresas russas, o C919 soma até o momento apenas ordens de companhias da China. Apesar dos atrasos no desenvolvimento, o modelo da COMAC, tem o dobro de encomendas que a Irkut, com uma lista que já passa de 600 pedidos.

Veja mais: Rússia prepara lançamento de novo turbo-hélice comercial