O Boeing 787-10 é avaliado em US$ 306 milhões, algo em torno de R$ 946 milhões (Boeing)

O Boeing 787-10 é avaliado em US$ 306 milhões, algo em torno de R$ 946 milhões (Boeing)

O protótipo do jato comercial 787-10, maior aeronave da família Dreamliner, decolou pela primeira vez nesta sexta-feira (31), na fábrica da Boeing em North Chalerston, no estado da Carolina do Sul, nos Estados Unidos. A aeronave é o terceiro e último modelo programado da família 787, que voa desde 2011 nas versões 787-8 e 787-9.

A estreia comercial do 787-10 é prevista para acontecer até o final de 2018. Os primeiros operadores do jato com capacidade média para 330 passageiros serão as companhias aéreas Singapore Airlines e a United. O modelo “10” é considerado o substituto direto do 777-200ER, ainda em produção, e seu principal concorrente é o Airbus A350-900.


Apesar de ser a maior versão da série Dreamliner, o 787-10 é o que tem a menor autonomia de voo da família, de 11.910 km, enquanto seus irmãos podem realizar viagens que superam os 13.000 km. Já a velocidade máxima é igual entre os três modelos: 945 km/h.

A Boeing já recebeu 149 encomendas pelo 787-10, de nove clientes diferentes. O maior deles é a companhia Singapore Airlines, de Cingapura, que pediu 30 unidades.

Desde 2011, a Boeing já vendeu mais de 500 unidades do Dreamliner, hoje um dos aviões comerciais mais avançados do mundo. Além dos pedidos pelo novo 787-10, a fabricante ainda tem encomendado mais 537 jatos nas versões 787-8 e 787-9.

Veja mais: Maior avião fabricado no Brasil, Embraer E195-E2 realiza voo inaugural