O radar do GlobalEye pode detectar aeronaves voando a mais de 600 km (SAAB)

O radar do GlobalEye pode detectar aeronaves voando a mais de 600 km (SAAB)

A Saab apresentou o novo avião de vigilância GlobalEye no final de fevereiro e na ocasião anunciou que o primeiro voo da aeronave seria realizado até o final deste ano. Pois isso aconteceu em apenas três semanas. O voo inaugural do modelo foi realizado nessa quarta-feira (14), na sede da empresa em Linköping, na Suécia.

O primeiro voo de teste com a aeronave, que é baseada no jato executivo Bombardier Global 6000, durou uma hora e 46 minutos, informou a Saab. Antes do voo inaugural, a fabricante acrescentou que já havia realizado uma série de ensaios com o jato em solo, incluindo testes de rodagem em baixa e alta velocidade.



No termo militar, o GlobalEye é descrito como uma “Plataforma Aérea de Controle Aéreo e Alerta Antecipado”, que pode ser simplificado como “avião-radar”. A aeronave carrega na parte superior da fuselagem uma grande antena de radar com potência suficiente para “enxergar” aviões a mais de 600 km de distância.

“O primeiro voo é o segundo maior marco para o programa GlobalEye em um espaço de tempo muito curto. Mais uma vez, demostramos que estamos cumprindo nossos compromissos e que estamos em um bom caminho para a produção do sistema de vigilância multimissão mais avançado do mundo “, disse Anders Carp, vice-presidente sênior e chefe da área Surveillance da Saab.

“O voo de hoje foi como planejado, com o nível de desempenho de nossas expectativas. O manuseio suave da aeronave foi exatamente como previsto e um verdadeiro prazer para voar”, disse Magnus Fredriksson, piloto de teste experimental Saab que comandou o primeiro voo do GlobalEye.

O cliente de lançamento do GlobalEye são as Forças Armadas dos Emirados Árabes Unidos, até o momento o único interessado no projeto, com um pedido para três aeronaves. O país no Oriente Médio já opera um avião-radar anterior da fabricante sueca, o turbo-hélice Saab 340 AEW&C.

Os Emirados Árabes Unidos já operam o Saab 340 AEW&C, na imagem com as cores da força aérea da Suécia (Gnolam)

Os Emirados Árabes Unidos já operam o Saab 340 AEW&C, na imagem com as cores da força aérea da Suécia (Gnolam)

Olhos nos céus

O grande antena de radar que o GlobalEye transporta é o sistema Erieye ER, desenvolvido pela Saab Electronic Defence Systems (ex-Ericsson Microwave Systems). Segundo o fabricante, o equipamento pode encontrar outras aeronaves voando em diferentes altitudes a 650 km de distância. O jato também é equipado com mais um série de sensores especiais pela fuselagem, para buscas terrestres e marítimas, e sistemas de inteligência e auto-proteção.

O GlobalEye é projetado para realizar missões com até 11 horas de duração (SAAB)

O GlobalEye é projetado para realizar missões com até 11 horas de duração (SAAB)

Assim como o jato executivo Global 6000, o seu “primo” militar também pode voar por longas distâncias. De acordo com dados da Bombardier, a aeronave na versão civil tem alcance de 10.800 km. Já a Saab estima a autonomia do GlobalEye em 11 horas de voo.

Brasil tem avião parecido

Um dos aviões mais avançados da Força Aérea Brasileira (FAB), o Embraer EMB-145 AEW&C, (ou E-99 na designação militar) possui a mesma concepção do GlobalEye e também é equipado radar sueco Erieye.

O sistema utilizado no E-99 pode encontrar e vigiar aeronaves (ou até mesmo mísseis) em diferentes altitudes e velocidades ou outras ameaças terrestres ou no mar a cerca de 450 km de distância. A FAB conta atualmente com cinco unidades do EMB-145 AEW&C.

O "avião-radar" E-99 pode localizar aeronaves a cerca de 400 km de distância (FAB)

O “avião-radar” E-99 da FAB pode localizar aeronaves a cerca de 400 km de distância (FAB)

O jato de vigilância da Embraer, baseado no modelo comercial ERJ-145, também foi exportado equipado com o sistema Erieye para a Índia (3 unidades), México (3) e Grécia (4). O projeto do EMB-145 AEW&C também prevê a possibilidade de equipar a aeronave com sistema de reabastecimento aéreo para aumentar sua autonomia, solução que está sendo testada atualmente nos modelos indianos.

Veja mais: Os estranhos e originais aviões de combate da Suécia