O HMS Ocean pode receber helicópteros ou então aviões capazes de decolar e pousar na vertical (Divulgação)

O HMS Ocean pode receber helicópteros ou então aviões capazes de decolar e pousar na vertical (Divulgação)

A Marinha do Brasil (MB) confirmou nesta segunda-feira (19) a assinatura do contrato de transferência do navio porta-helicópteros HMS Ocean junto às autoridades do Ministério da Defesa britânico. O acordo foi assinado em Plymouth, na Inglaterra, pelo diretor-geral do Material da Marinha, Almirante de Esquadra Luiz Henrique Caroli, representando a corporação naval brasileira.

A MB não divulgou o valor da negociação. No entanto, segundo reportagem do jornal britânico The Telegraph, a embarcação foi vendida ao Brasil por cerca de £ 84 milhões, o equivalente a R$ 380,5 milhões na cotação atual. O HMS Ocean será o maior navio da marinha brasileira, com 203,43 metros de comprimento 21.578 toneladas de deslocamento (totalmente carregado). Esse posto antes era ocupado pelo porta-aviões NAe São Paulo, desativado em fevereiro de 2017.


O HMS Ocean foi incorporado pela Royal Navy (Marinha Real Britânica) em 1998. A embarcação foi projetada para realizar operações anfíbias com helicópteros embarcados e com tropas dos Royal Marines (Fuzileiros Navais britânicos), bem como atender a missões de ajuda humanitária, como a ocorrida em setembro de 2017, quando o navio prestou auxílio às populações caribenhas atingidas pela passagem do furacão “Irma”.

Na Marinha do Brasil, a embarcação será empregada em operações aéreas com helicópteros, operações anfíbias com tropas de Fuzileiros Navais e missões de controle de área marítima para proteção de linhas de comunicações marítimas, além de conduzir atividades de apoio logístico, de caráter humanitário, de auxílio a desastres naturais e operações de manutenção da paz.

A incorporação do HMS Ocean à MB será em 29 de junho de 2018, sendo que o processo de transferência do navio tem previsão de ser concluído até o final do mês de julho, com chegada ao Brasil em agosto. Até lá, os tripulantes brasileiros realizarão cursos com a Royal Navy, em empresas fabricantes dos equipamentos e treinamentos intensivos. A embarcação ainda passará por um processo de manutenção e docagem no Reino Unido para ser recebido em suas melhores condições de material e de preparação de pessoal.

O HMS Ocean pode navegar por mais de 14.000 km sem precisar reabastecer (Divulgação)

O HMS Ocean pode navegar por mais de 14.000 km sem precisar reabastecer (Divulgação)

De acordo com a MB, o navio fabricado no Reino Unido pode operar simultaneamente até sete aeronaves em seu convés de voo, podendo utilizar todos os tipos de helicópteros pertencentes a esquadrões da marinha brasileira. São eles os modelos Seahawk (SH-16), Cougar (UH-15 A/B); Lynx (AH-11B), Esquilo (UH- 12/13), Bell Jet Ranger III (IH-6B) e Super Puma (UH-14).


A embarcação pode receber até 18 aeronaves embarcadas e possui acomodações para abrigar até 805 tripulantes (entre fuzileiros navais, pilotos e responsáveis pela operação do navio). O HMS Ocean foi projetado para navegar a velocidade de 18 nós (33,3 km/h) e tem um raio de ação de 8.000 milhas náuticas (14.816 km).

Nota do editor: Seguindo a tradição da Marinha do Brasil em relação aos seus navios aeródromos, o HMS Ocean deve ser rebatizado com o nome de um Estado brasileiro, como foram no passado os casos dos porta-aviões Minas Gerais e São Paulo.

Veja mais: Airbus planeja versões militares do A320neo