A MAP opera com modelos turbo-hélice ATR 42 e ATR 72 (MAP)

A MAP Linhas Aéreas, companhia regional que atua na região Norte do país, anunciou que tem interesse em disputar os horários de pouso e decolagem (slots) do aeroporto de Congonhas, em São Paulo, que pertenciam à Avianca Brasil, empresa em recuperação judicial desde o final de 2018.

Nesta quinta-feira (25), a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) informou os novos critérios para distribuição dos slots parados em Congonhas. Ao todo, são 41 autorizações diárias que serão repassadas às empresas consideradas entrantes no aeroporto, ou seja, aquelas que atualmente possuem até 54 slots. Pela regra anterior, entrante era a companhia que possuía até 5 slots.


A nova regra foi criada pela ANAC para permitir a entrada de mais empresas em Congonhas e ao mesmo tempo barrar LATAM e Gol no processo de distribuição dos slots vagos. As duas companhias superam de longe o limite estabelecido pela agência para serem consideradas entrantes no aeroporto: a LATAM já tem 236 slots e a Gol, 234. Juntas, as empresas têm 87% dos horários de partidas e chegadas diários no terminal.

Como não tem nenhum slot em Congonhas, a MAP é uma das companhias brasileiras que podem solicitar horários no aeroporto em São Paulo. Para o CEO da empresa, Héctor Hamada, os critérios estabelecidos pela ANAC favorecem o consumidor, que terá mais opções de companhias atuando, além de garantir a competitividade saudável do mercado de aviação.

“Não queremos voar de São Paulo até o Norte. Se a MAP conseguir os slots, nosso plano inicial é criar uma operação regional no estado a partir de Congonhas. Outra rota interessante é a ponte aérea Rio-SP”, disse Hamada, em entrevista ao Airway.

O CEO da MAP contou que a companhia tem capacidade e aeronaves suficientes para absorver cinco slots em CGH. “Podemos reprogramar voos de baixa temporada no Norte e enviar as aeronaves para Congonhas”, explicou Hamada.

A frota atual da empresa é composta por dois turbo-hélices ATR 42-300 e três ATR 72 (dois modelos -200 e um -500).

Hamada ressalta que a MAP aguarda o andamento do processo de distribuição dos slots, mas que tem total interesse em expandir sua atuação para outras regiões do país. A companhia aérea baseada em Manaus tem seis anos de atuação no mercado e hoje opera voos para 14 cidades dos estados do Amazonas e Pará.

Outras empresas interessadas nos slots de Congonhas são a Azul, Passaredo, TwoFlex e a Sideral Linhas Aéreas. O processo de distribuição dos horários será iniciado pela ANAC na próxima segunda-feira (29/7) e os resultados serão divulgados na outra semana. As companhias que conseguirem as permissões em CGH poderão iniciar imediatamente a oferta de voos.

Veja mais: Primeiro voo do Boeing 777X é adiado para 2020