O Aerion AS2, capaz de voar a 1.700 km/h, tem previsão de lançamento para 2022 (Aerion)

O Aerion AS2 será capaz de voar a mais de 1.700 km/h (Divulgação)

Ainda classificada como uma “desenvolvedora de aviões comerciais supersônicos”, a Aerion, dos Estados Unidos, planeja se tornar oficialmente uma “fabricante” a partir da próxima década, conforme mostra em seu projeto preliminar do jato executivo supersônico AS2 divulgado nesta semana. Além disso, a empresa também anunciou planos para desenvolver aeronaves maiores e mais rápidas, incluindo aviões comerciais.

A avião supersônico da Aerion é projetado para transportar 12 passageiros e voar a velocidade máxima de mach 1.4 (1.728 km/h). O projeto ainda conta com o apoio de nomes importantes da indústria aeronáutica como a Lockheed Martin e a fabricante de motores General Eletric. Outra empresa que recentemente se juntou ao grupo é a Honeywell, que vai desenvolver os sistemas aviônicos do AS2.



Em comunicado divulgado durante a abertura da feira de aviação NBAA-BACE, que acontece nesta semana em Orlando, nos EUA, o CEO da Aerion, Tom Vice, disse que a companhia está em dia com o cronograma para voar com o AS2 em 2023 e concluir sua certificação em 2025. Antes disso, o executivo ressaltou que a empresa terá o projeto preliminar da aeronave concluído em junho de 2020 e logo em seguida iniciará a montagem do primeiro avião de testes.

“O AS2 é o primeiro passo em um roteiro para tornar as viagens supersônicas eficientes, sustentáveis e amplamente disponíveis”, disse Vice. “Hoje estamos nos limites da tecnologia atual. Estamos começando com um jato executivo porque a tecnologia existe e o modelo de negócio funciona. Vemos um mercado viável para o AS2. Será o nosso trampolim para projetos maiores e mais rápidos, tanto para a aviação executiva quanto para aviões comerciais.”

Vice, no entanto, acrescentou que projetos sobre mais aviões civis supersônicos dependerão dos avanços na tecnologia de propulsão. “Para que a indústria supersônica avance, precisamos demonstrar o mercado e estimular o desenvolvimento de novas tecnologias de motores que atenderão às normas em evolução para redução de ruído e emissões, ao mesmo tempo em que aumentam a velocidade”, disse o diretor da Aerion.

As primeiras entregas do AS2 estão previstas para 2023 (Aerion)

O primeiro voo do AS2 é programado para 2023 (Divulgação)

O motor proposto para o AS2 é o turbofan GE Affinity, que vem sendo desenvolvido já de acordo com as normas de aviação civil que passarão a vigorar depois de 2020. Um dos principais desafios será atender os limites de ruídos. O último motor para um avião comercial supersônico foi projetado há 55 anos pela Rolls-Royce e a extinta SNECMA para equipar o Concorde.

Para o vice-presidente e gerente geral da GE, Brad Mottier, a introdução de aviões comerciais mais velozes é um passo lógico para a indústria aeronáutica. “Nos últimos 50 anos, a velocidade de aeronaves comerciais aumentou menos de 10%. Em vez de ir mais rápido, as cabines aumentaram de tamanho e se tornaram mais confortáveis, e o alcance se tornou mais longo. Com grandes aeronaves de cabine confortável e longo alcance no mercado, o próximo passo é aumentar a velocidade.”

Outra dificuldade do projeto do AS2 é encontrar formas de evitar que o sonic boom (o estrondo sônico gerado por objetos em velocidade supersônica) não reflita no solo, o que pode ter consequências perigosas. De acordo com a Aerion, essa questão poderá ser solucionada usando softwares especiais que poderão determinar o perfil de voo ideal para evitar a maior disperção do estrondo sônico – esse foi um dos problemas na carreira do Concorde, que era proibido de voar em velocidades supersônicas em áreas continentais.

Os três motores em potência máxima levarão a aeronave a mais de 1.800 km/h (Aerion)

O AS2 será impulsionado por três motores projetados pela GE (Divulgação)

“Uma próxima geração além do AS2, baseada em mais adaptações da tecnologia de motores atuais, poderia nos levar da velocidade de Mach 1.4 para Mach 1.6 (1.975 km/h) do AS2 e poderia servir como um jato executivo com cabine maior e maior alcance ou um pequeno avião comercial. Projetos inteiramente novos de motores têm o potencial de gerar aeronaves maiores capazes de voar a Mach 1.8 ou além. A Aerion pretende estar na vanguarda desses desenvolvimentos”, finalizou o presidente da empresa desenvolvedora de aviões supersônicos e futura fabricante.

Veja mais: A história da companhia brasileira que quase comprou o Concorde