(Airbus)

O ACJ319neo “básico” é avaliado em quase R$ 400 milhões (Airbus)

O novo jato executivo ACJ319neo completou nesta quarta-feira (24) seu primeiro voo. A aeronave decolou da sede da Airbus em Hamburgo, na Alemanha, e permaneceu no ar por uma hora e 55 minutos, iniciando o programa de testes para verificar as características do avião corporativo.

O primeiro exemplar da aeronave oferecida pela divisão Airbus Corporate Jets (ACJ) foi construído para a K5 Aviation, empresa alemã de voos charter. O jato ainda será equipado com uma cabine “VVIP” elaborada pela Fokker Techniek, na Holanda, após ser entregue ao operador. A Airbus ainda não definiu a data de entrega da aeronave.


O ACJ329neo incorpora todas as inovações tecnológicas da nova família A320neo. Os principais recursos são os motores com menor consumo de combustível e os Sharklets, dispositivos nas pontas das asas que ajudam a reduzir o arrasto aerodinâmico da aeronave. Segundo a Airbus, os jatos da família Neo são até 15% mais eficientes comparados aos A320 da primeira geração e por isso podem percorrer maiores distâncias. E o modelo executivo pode ir ainda mais longe.

A versão executiva do A319neo pode ser equipada com até cinco tanques de combustível extras no compartimento de bagagem, como é o caso do modelo encomendado pela K5 Aviation. Nessa configuração, a aeronave transporta um total de 37.400 litros de querosene, 10.670 l a mais que o jato na opção comercial, e o suficiente para voar por 12.501 km, quase o dobro do modelo convencional.

Enquanto o A319neo tem capacidade para transportar até 160 passageiros, a versão executiva pode ter seu interior configurado para transportar apenas oito ocupantes. O jato corporativo também inclui melhorias no sistema de pressurização da cabine que tornam a viagem mais confortável.

Layouts de cabine para o ACJ319neo sugeridos pela Airbus. Qual você prefere? (Airbus)

Layouts de cabine para o ACJ319neo sugeridos pela Airbus. Qual você prefere? (Airbus)

Quem compra esse tipo de jato executivo?


Jatos de negócios derivados de aeronaves comerciais são o topo da aviação executiva. Aviões com fileiras intermináveis de assentos ganham salas de reunião, ambientes com sofás e até suítes privadas (com chuveiro) para apenas algumas dezenas de passageiros, ou até menos.

Obviamente são aviões caríssimos: o ACJ319neo “básico” é avaliado em US$ 95 milhões (cerca de R$ 377 milhões), isso ainda sem contar a instalação da cabine de executiva, cujo valor também ultrapassa cifras milionárias.

A Boeing também participa desse segmento da aviação executiva com a divisão BBJ (Boeing Business Jet), assim como a Embraer, que oferece o Lineage 1000E baseado no jato comercial E190.

O Lineage 1000E também pode ser equipado com sala de estar e dormitório privado (Imagem - Embraer)

O Lineage 1000E é a versão executiva do jato comercial E190 (Embraer)

Por conta desses preços altíssimos e o alto custo operacional, jatos executivos desse porte dificilmente são adquiridos por clientes privados, exceto por raros bilionários – milionários compram jatos executivos comuns. Os clientes mais comuns dessa categoria são empresas de voos charter de alto luxo e governos, que aproveitam o longo alcance dessas aeronaves para transportar autoridades em viagens oficiais.

O governo do Brasil é um dos clientes da Airbus Corporate Jets. O avião presidencial brasileiro é um jato A319CJ de primeira geração. A aeronave é operada pelo Grupo de Transporte Especial (GTE) da Força Aérea Brasileira designada como VC1-A.

O VC1-A pode voar de Brasília até Paris ou Washington sem escalas (FAB)

O VC1-A, avião presidencial do Brasil, é um A319CJ de primeira geração (FAB)

Apesar dos valores assombrosos, a Airbus tem uma clientela considerável na aviação executiva. A fabricante entregou 200 jatos corporativos desde 1997 e atualmente soma 14 pedidos pelos novos modelos da família ACJ320neo.

Veja mais: Jato executivo Praetor 600, da Embraer, é certificado pela ANAC