O F-35B pode realizar pousos e decolagens verticais por meio de um complexo sistema que movimenta a altera do motor (Foto - US Navy)

O F-35B é projetado para realizar decolagens curtas e pousos verticais (US Navy)

O ministério da defesa do Japão anunciou formalmente na última sexta-feira (16/8) a seleção do avião de combate furtivo Lockheed Martin F-35B, fabricado nos Estados Unidos, como parte de seu plano para adquirir aeronaves de decolagem curta e pouso vertical (STOVL).

O processo de aquisição das aeronaves vinha sendo negociado desde dezembro de 2018, quando o Japão decidiu comprar 42 caças F-35B para equipar sua marinha. Cada caça vai custar aos cofres japoneses cerca de US$ 130 milhões.


As aeronaves serão operados a partir dos navios porta-helicópteros da classe Izumo que serão adaptados como porta-aviões para abrigar as novas aeronaves de combate. Duas embarcações serão convertidas com rampas de decolagem (ski-jump) até meados de 2020.

O anúncio da compra dos caças ocorre em meio à escalada militar da China, que vem aumentando seu efetivo militar próximo as ilhas no sul do Japão, onde o número de bases aéreas com longas pistas é limitado. Com as aeronaves embarcadas, as forças armadas japonesas poderão reforçar sua capacidade de defesa na região.

O Japão vai transformar dois porta-helicópteros em porta-aviões com ski-jump (Kaijõ Jieitai)

O Japão é um dos países que participa do programa de desenvolvimento do F-35 e já conta com unidades da versão F-35A, que opera em pistas convencionais. Outro modelo da série é o F-35C, projetado para operar a partir de porta-aviões com sistemas de catapulta e cabos de contenção (Catobar).

Poder aeronaval japonês

A confirmação da compra de caças F-35B e a conversão dos navios da classe Izumo vai fazer o Japão retomar sua capacidade de operar aviões de combate a partir de porta-aviões, algo que não ocorre no país desde o final da Segunda Guerra Mundial.

O Japão foi a primeira nação do mundo a lançar ao mar um porta-aviões projetado para tal função, o Hosho, em 13 de novembro de 1921. Durante a Segunda Guerra Mundial, a marinha japonesa operou um total de 21 embarcações desse tipo e apenas quatro modelos resistiram até o fim dos combates.

O Japão foi o primeiro país a ter um porta-aviões; o Hosho foi lançado ao mar em 1922 (Domínio público)

A ação mais célebre do Japão utilizando porta-aviões durante o conflito mundial foi o ataque a Pearl Harbor. A operação foi realizada com o auxílio de seis navios aeródromos, que lançaram mais de 400 aeronaves para atacar a base militar dos EUA no Havaí.

Veja mais: Avião presidencial do Brasil vai ganhar nova pintura