O porta-aviões Giuseppe Garibaldi, comissionado em 1983, pode transportar até 20 aeronaves (Foto - Marinha da Itália)

O porta-aviões Giuseppe Garibaldi, comissionado em 1983, pode transportar até 20 aeronaves (Foto – Marinha da Itália)

A Marinha da Itália anunciou nesta semana a encomenda de um novo porta-aviões para substituir a embarcação “Giuseppe Garibaldi”. O novo navio-aeródromo italiano será construído pelos grupos empresariais Fincantieri e Finmeccanica, ambas italianas. O navio tem previsão de conclusão em 2022 e vai custar 1,1 bilhão de euros aos cofres do país.

O projeto do novo porta-aviões italiano, ainda sem nome definido, prevê uma embarcação de porte compacto, como o Giuseppe Garibaldi, mas ligeiramente maior. Segundo a marinha italiana, a embarcação terá 200 metros de comprimento e deslocamento de 18 mil toneladas, quando totalmente carregado – o modelo atual tem 180 metros e pesa 13 mil toneladas.

Com tal porte, o próximo porta-aviões italiano terá uma capacidade superior, mas não tão significativa. O Giuseppe Garibaldi, lançado em 1983, transporta um destacamento aéreo com oito caças-bombardeiro AV-8B Harrier II e até 10 helicópteros médios e pesados para diversas missões, desde salvamento a guerra antissubmarino.

A Itália ainda possui um segundo porta-aviões, o Cavour. Comissionada em 2008, essa embarcação tem porte médio e pode carregar até 30 aeronaves.

Porta-aviões brasileiro segue parado

O problemático porta-aviões NAe São Paulo, que foi introduzido a Marinha do Brasil no ano 2000, encontra-se atualmente docado no Rio de Janeiro para um extenso programa de reformas e modernização, que deve ser concluído somente em 2019. Com essas mudanças, a vida útil da embarcação será estendida por mais 20 anos e deverá custar cerca de R$ 1 bilhão.

O NAe São Paulo pode transportar uma combinação de até 40 aviões e helicópteros (Foto - Marinha do Brasil)

O NAe São Paulo pode transportar uma combinação de até 40 aviões e helicópteros (Foto – Marinha do Brasil)

O NAe São Paulo, que foi comprado da França (ex- FS Foch), é uma embarcação de grande porte fabricada na década 1950 e atualmente é o quinto maior porta-aviões do mundo, perdendo apenas para modelos das marinhas da Índia, França, Inglaterra e Estados Unidos.

Veja mais: FAB pousou em porta-aviões pela primeira vez há 50 anos

O navio-aeródromo brasileiro, no entanto, não navega desde 2013, impedindo as operações do grupo de aviação embarcada, que possui aeronaves de ataque e vigilância. Com a embarcação parada, esses aviões têm de opera a partir de bases terrestres.