Flybondi: low-cost argentina chegará a São Paulo em janeiro (Divulgação)

Depois de estrear no Rio de Janeiro e marcar o início de seus voos para Florianópolis em dezembro, a companhia aérea low-cost argentina Flybondi confirmou nesta quinta-feira sua chegada à São Paulo. Os voos ligarão a capital paulista à Buenos Aires três vezes por semana a partir do dia 24 de janeiro de 2020, véspera do aniversário da cidade.

Operados com jatos Boeing 737-800, os voos serão realizados às segundas, quartas e sextas-feiras decolando do aeroporto El Palomar às 15h10 e pousando em Guarulhos às 18h00. O retorno se dá às 18h45 com chegada na capital argentina às 21h50. Os bilhetes começaram a ser vendidos nesta quarta-feira (30) com preços promocionais a partir de R$ 188 por trecho e incluindo apenas uma bagagem de 10 kg – as taxas não foram incluídas.


Ao pesquisar no site da empresa, o voo mais acessível entre as duas cidades sai pelo valor de R$ 378 sem as taxas e impostos, que acrescentam R$ 280 ao preço total de R$ 658,28. A tarifa mais em conta encontrada na Aerolíneas Argentinas no mesmo período foi de R$ 1.977 enquanto a Gol cobrava R$ 1.606.

“Estamos muito contentes com o lançamento do nosso terceiro destino brasileiro em tão pouco tempo de operação no Brasil. Temos grande expectativa, porque será a única conexão low-cost entre São Paulo e Buenos Aires, duas das cidades mais importantes da América Latina. Agregamos assim mais conectividade para a região, mais oferta acessível para o turismo e um incentivo para a geração de emprego e o desenvolvimento econômico”, afirmou Sebastian Pereira, CEO de Flybondi.

A Flybondi estreou no Brasil em 11 de outubro ligando Buenos Aires ao Galeão, no Rio, e passará a voar para a capital catarinense no dia 19 de dezembro. Nesse meio tempo, a companhia já ampliou as frequências para as duas cidades. O outro voo internacional da empresa atende a cidade de Assunção, no Paraguai.

Empresa opera cinco Boeing 737-800 alugados (Flybondi)

Ryanair

A companhia foi a primeira low-cost argentina e começou a voar em janeiro de 2018, aproveitando a abertura de mercado promovida pelo governo de Mauricio Macri, que acaba de ser derrotado na eleição deste ano. Atualmente, a Flybondi voa para 18 cidades e já transportou mais de 2 milhões de passageiros desde então. Sua taxa de ocupação é a melhor das empresas que operam na Argentina, juntamente com a LATAM, com 88% em média – a Aerolíneas possui 84% em setembro.

Entre seus sócios estão Michael Cawley, um dos principais executivos da low-cost europeia Ryanair, e Michael Powell, que era ligado a Wizz Air, companhia aérea de baixo custo ligada ao grupo Indigo Partners. A companhia opera atualmente com uma frota de cinco Boeing 737-800, mas tinha planos de terminar o ano com dez jatos. No entanto, a empresa optou por postergar essa expansão da frota, diante da crise financeira argentina, cujo peso tem se desvalorizado perante o dólar – moeda em que é pago o leasing dessas aeronaves.

Para os passageiros que nunca usaram o aeroporto El Palomar, trata-se de uma antiga base aérea da Força Aérea Argentina localizada a 21 km do centro de Buenos Aires. A infraestrutura bastante modesta contrasta com o Ezeiza, mas o pequeno terminal tem uma vantagem, estar ao lado de uma estação do Trem San Martín, um serviço ferroviário que conecta a região a Palermo e Retiro em cerca de 45 minutos.

O aeroporto El Palomar em Buenos Aires: estrutura modesta, mas ligação ferroviária com o centro da capital (ANAC)

Veja também: Aeroporto de Florianópolis passa conta com terminal de passageiros digno