Boeing 737-800 NG da Flybondi: Florianópolis em dezembro (Divulgação)

A companhia aérea argentina ultra low-cost Flybondi iniciou suas operações no Brasil nesta sexta-feira (11), com o voo entre Buenos Aires e Rio de Janeiro, tornando-se a primeira empresa de baixo a custo a operar a rota.

O voo inaugural partiu do Aeroporto El Palomar rumo ao Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão), às 8h30, com 100% de ocupação da aeronave, um Boeing 737-800. O voo da Flybondi para o Rio será operado em três frequências por semana, às quartas, sextas e domingo, e uma quarta frequência será adicionada até o final de 2019.


A Flybondi anunciou a abertura do voo entre Buenos Aires e o Rio de Janeiro em julho deste ano, mesmo momento em que iniciou as vendas das passagens. O preço dos bilhetes para o trecho começam em R$ 220 (tarifa básica), variando de acordo com antecipação com a qual se adquire os tíquetes e a temporada escolhida para a viagem. Despacho de bagagens, reserva de assentos e refeições durante os voos têm custos extra.

“O Brasil sempre foi um mercado natural para os argentinos, e vemos muito potencial nesse destino. Nos alegra ser a primeira alternativa de baixo custo a conectar nosso país com o Rio de Janeiro, de maneira direta e com os melhores preços do mercado”, disse Sebastian Pereira, CEO de Flybondi. “Apostamos em um projeto de longo prazo por uma presença regional cada vez maior e por isso seguiremos acrescentando novos destinos e oferecendo conectividade ao alcance de todos”, completou.

“A grande procura de passageiros pela rota mostra o acerto da estratégia do RIOgaleão de trazer cada vez mais companhias aéreas que ofereçam opções a todos os tipos de público, variando preços e destinos. São empresas que praticam tarifas mais acessíveis ao passageiro que prioriza o preço na hora da compra. Ao atrair companhias internacionais deste modelo, o RIOgaleão colabora para ampliar o fluxo de turistas no Rio de Janeiro”, afirmou o presidente do RIOgaleão, Luiz Rocha.

Low-cost X ultra low-cost

O modelo de negócio seguido pela Flybondi é o ULCC, sigla em inglês para “Ultra Low Cost Carriers” (Companhias de Ultra Baixo Custo). Ainda mais econômicas que as low-cost tradicionais, as empresas dessa categoria tentam diminuir ao máximo os custos de suas operações com uma receita especial para oferecer aos passageiros bilhetes com preços competitivos.

As empresas ultra low-cost são caçadoras de oportunidades e sempre estão em busca de gargalos no mercado. Ao contrário de companhias aéreas tradicionais, preocupadas em conectar diferentes partes do mundo com longas malhas de voos, as ULCC operam onde está a demanda.

A ultra low-cost chilena JetSmart está a caminho do Brasil: a empresa vai operar em São Paulo, Salvador e Foz do Iguaçu  (Divulgação)

Para não pagar altas taxas em aeroportos de grandes centros, as companhias ULCC raramente mandam seus voos para grandes hubs e preferem operar em terminais secundário. É o caso da Flybondi, que voa para o Rio a partir do aeroporto na base aérea militar de El Palomar, a cerca de 18 km de Buenos Aires, em vez dos tradicionais Ezeiza e Aeroparque.

A fórmula para reduzir os custos operacionais ainda inclui frotas unificadas com aeronaves alugadas e as frequências dos voos entre os destinos quase sempre são baixas, com no máximo três ou quatro voos por semana. O uso dos aviões, porém, é intenso. A Flybondi, por exemplo, opera em 16 destinos com apenas cinco jatos 737-800 (para 189 passageiros).

As ultra low-cost também são a sensação nos EUA e estão começando a tomar os assentos de companhias tradicionais do país. Em 2018, as ULCC Allegiant, Sun Country, Frontier e Spirit Airlines transportaram cerca de 70 milhões de passageiros no mercado de aviação comercial norte-americano, que no ano passado movimentou mais de 1 bilhão de pessoas (incluindo companhias locais e estrangeiras), segundo dados do Departamento de Transportes dos EUA.

A cauda do 100° avião da Airbus produzido nos EUA foi decorada com a pintura dos cavalos "Meadow & West" (Airbus)

A Frontier é uma das principais ULCC; também é conhecida por ter as cabines mais apertadas dos EUA (Airbus)

Chegada arrasadora

A Flybondi fez seu primeiro voo em janeiro de 2018 e desde então, até setembro, já transportou mais de 2 milhões de passageiros, dos quais 400 mil nunca haviam viajado de avião. Esse resultado colocou a companhia estreante na terceira colocação do mercado argentino com uma participação de 8%, atrás da Aerolíneas Argentinas e LATAM Argentina.

A empresa opera hoje em 13 destinos na Argentina e tem voos internacionais para Assunção, no Paraguai, e Punta del Este, no Uruguai, além do novo trecho para o Rio de Janeiro. A Flybondi também confirmou que vai operar em Florianópolis (SC) a partir de dezembro.

Veja mais: Boeing pode lançar um 767 remotorizado