O novo ATR 72-600F, primeira versão genuína de carga do turbo-hélice (ATR)

Foram necessárias mais de três décadas para que o turbo-hélice ATR ganhasse uma versão cargueira de fábrica. O popular avião franco-italiano, hoje o modelo regional do seu tipo mais vendido no mundo, já é usado como cargueiro, porém, em versões adaptadas de unidades para passageiros. Mas agora, com a encomenda de 50 unidades do ATR 72-600F (30 firmes mais 20 opções), a Fedex inaugura uma nova fase para o aparelho.

Maior empresa aérea cargueira do mundo, a Fedex Express já possui 34 ATR em sua frota, 15 deles da versão 72, de maior capacidade. É o segundo menor avião da empresa (só perde para o versátil Cessna Caravan) e responsável por entregas em distâncias mais curtas e destinos com demanda que não justifique um jato. Por essa razão, os 30 aviões novos devem praticamente dobrar sua capacidade nesse segmento.



Em relação ao ATR de passageiros, a versão de carga será fabricada sem as janelas e ganhará duas portas de acesso, uma lateral e larga na dianteira, e outra na parte traseira e articulada na porção superior do turbo-hélice. Segundo a fabricante, o ATR 72-600F é capaz de acomodar um volume máximo de 74,6 m³. Ele é compatível com três tipos de paletes: de 88 por 62 polegadas (nove paletes), 88 por 108 polegadas (cinco) e no padrão LD3 (sete).

“O ATR tem operado com sucesso no serviço FedEx por muitos anos. Trabalhamos com a ATR para desenvolver esta nova aeronave, que inclui características especiais para nos ajudar a expandir nossos negócios, especialmente no mercado de frete aéreo onde os embarques são maiores e mais pesados. O 72-600F desempenhará um papel importante na nossa rede global, ajudando-nos a oferecer um serviço rápido e econômico para mercados de pequeno e médio porte “, declarou o presidente mundial da Fedex Express, David L. Cunningham, durante a assinatura do contrato.

As primeiras entregas do ATR 72-600F começarão em 2020.

Veja também: Azul reduz sua frota do turbo-hélice ATR 72

Bene Riobó

ATR 72 da Fedex: companhia utiliza frota de passageiros adaptada atualmente (Bene Riobó)