Os F-5 podem voar a cerca de 1.700 km/h e também operar como bombardeiros (FAB)

Os caças F-5 participam do treinamento da FAB em Canoas (FAB)

A base da Força Aérea Brasileira (FAB) em Canoas (RS), a Ala 3, está sediando neste mês um exercício de combate aéreo BVR – do inglês, Beyond Visual Range, ou seja, além do alcance visual. O treinamento começou nessa segunda-feira (¼) e segue até o dia 16.

De acordo com a FAB, o objetivo do treinamento é adestrar pilotos, controladores de voo e equipes de solo para executarem missões de combate, avaliando a performance e a reação à ameaça com o emprego de mísseis BVR. A força aérea explica que essa tecnologia aumenta o elemento surpresa e dá mais segurança ao piloto, que pode realizar ataques de distâncias maiores, o que dificulta o contra-ataque do inimigo.


Os aparelhos envolvidos no treinamento são os caças F-5M e A-1M, o avião-radar E99, a aeronave de reconhecimento R-35, o reabastecedor aéreo KC-130 e o helicóptero H-36 Caracal (H225M) para missões de busca e salvamento.

O treinamento em Canoas é considerado de nível nacional, pos participam esquadrões de voo de Manaus (AM), Anápolis (GO), Campo Grande (MS), Rio de Janeiro (RJ) e Santa Maria, o que segundo a FAB demanda um grande esforço logístico.

“Exercícios como esse são indispensáveis para a Força Aérea Brasileira manter sua capacidade de desdobramento, ou seja, estrategicamente ser capaz de se mobilizar para qualquer região do país com homens e máquinas altamente preparados para atuarem em um alto nível de integração e excelência”, afirma o Comandante da Ala 3, Brigadeiro do Ar Raimundo Nogueira Lopes Neto.

Veja mais: Akaer apresenta avião de ataque conceitual