O primeiro A320 da Laudamotion após recer a pintura (Reprodução/Stefan Hartl)

Enquanto competiu na Fórmula 1, a mais nobre categoria do automobilismo mundial, o piloto austríaco Niki Lauda ficou conhecido pela tenacidade e persistência sobretudo após o acidente em quase morreu em 1976. Mesmo com boa parte do corpo queimada, o piloto retornou às pistas seis semanas e disputou o campeonato daquele ano até o final (vencido pelo inglês James Hunt). Anos mais tarde, em outro retorno, Lauda tornou-se tricampeão numa temporada em que sua vantagem foi de meio ponto para o francês Alain Prost.

Por essa razão não espanta saber que Niki Lauda está prestes a lançar mais uma empreitada na aviação comercial com a companhia Laudamotion. O austríaco, apaixonado pelo assunto, foi fundador da Lauda Air em 1979 e que chegou a ser uma das maiores companhias europeias até que vendeu a empresa para a Austrian Airlines em 2000. Mais tarde, em 2012, ela deixou de existir ao ser incorporada à sua proprietária.



Não foi o bastante para encerrar a carreira do piloto na aviação. Em 2003 ele adquiriu a companhia Aero Lloyd Austria e a rebatizou com o nome “Niki”. Com rotas para o Mediterrâneo, a empresa focou no mercado “low-cost” e de turismo, mas longo no ano seguinte Lauda fechou uma parceria com companhia Air Berlin para compartilhar aeronaves, operações e sistemas de reservas. Desde 2012 os aviões passaram a trocar a pintura metálica por um esquema parecido com o da Air Berlin.

A situação ficou complicada a partir de 2016 quando a Air Berlin decidiu abrir mão de sua participação na empresa. Lauda então fechou um acordo com a Etihad para criar uma nova empresa, mas entre idas e vindas o negócio não evoluiu. No ano passado, a própria Air Berlin entrou em falência e levou consigo a Niki que encerrou sua operação em dezembro. Foi aí que a Laudamotion entrou no páreo. Niki Lauda reassumiu o espólio de sua companhia anterior em janeiro deste ano utilizando para isso a nova empresa adquirida em 2016.

Recomeço

O primeiro avião da Laudamotion foi revelado nos últimos dia após receber sua pintura que mantém o esquema da Air Berlin. O A320 é o primeiro de quinze aviões que serão usados em rotas entre Alemanha, Áustria e Suíça para destinos na Grécia e ilhas no Mediterrâneo a partir do final de março. O espírito obcecado de Niki Lauda permanece o mesmo até hoje.

Veja também: Com 200 pilotos “doentes”, Air Berlin cancela mais de 100 voos