Os Super Tucanos que voam no Afeganistão foram montados nos EUA (USAF)

Os Super Tucanos que já voam no Afeganistão foram montados nos EUA (USAF)

A Embraer Defesa & Segurança e sua parceira nos Estados Unidos, a Sierra Nevada Corporation (SNC), anunciaram nesta quarta-feira (25) um novo pedido da Força Aérea dos EUA (USAF) por mais seis aeronaves A-29 Super Tucano. Segundo comunicado das fabricantes, mais adiante esses aviões vão equipar as forças armadas do Afeganistão.

As empresas ainda adiantaram que a produção da encomenda para a USAF “deve começar imediatamente”. As aeronaves serão produzidas na instalação da SNC em Jacksonville, na Flórida.



“Acreditamos que essa decisão demonstra que o A-29 Super Tucano é a melhor aeronave para operações de apoio aéreo tático, como também a solução comprovadamente mais confiável e econômica para cenários de contrainsurgência e de guerras não convencionais”, afirma Jackson Schneider, presidente e CEO da Embraer Defesa & Segurança.

O Afeganistão é um dos países que vem recebendo ajuda militar dos EUA, com treinamentos para tropas e oficiais e o envio de equipamentos de combate, como o Super Tucano. A nova encomenda dos EUA por mais seis aeronaves é justamente para completar o programa do A-29 às forças afegãs, que esperam 20 unidades do avião. Até o momento, o pais já recebeu 12 unidades.

Outra nação contemplada pelo mesmo programa de ajuda militar dos EUA é o Líbano. O país do Oriente Médio recebeu recentemente seus dois primeiros Super Tucanos e até o final de 2018 deve receber mais quatro unidades. Os aviões para os libaneses também são construídos pela SNC.

A Força Aérea da Colômbia é o segundo maior operador do Super Tucano, depois da FAB (FAC)

A Força Aérea da Colômbia é o segundo maior operador do Super Tucano, depois da FAB (FAC)

“Estamos orgulhosos em continuar apoiando o Programa A-29 no Afeganistão, da Força Aérea, já que isso não apenas atesta a capacidade da aeronave A-29, mas também sua facilidade de operação e custo-benefício”, diz Taco Gilbert, vice-presidente sênior da área de ISR da Sierra Nevada. “Não há outra aeronave como o A-29 capaz de realizar treinamento em voo, ataque leve e o treinamento de novos pilotos de combate. O grande interesse em torno da aeronave demonstra seu valor para as forças aéreas de todo o mundo”.

Até o momento, o A-29 Super Tucano já foi selecionado por 13 forças aéreas no mundo todo. A aeronave soma com esses operadores (incluindo a Força Aérea Brasileira – FAB) mais de 320 mil horas de voo e mais de 40 mil horas em experiência de combate real.

 

A força aérea do Chile conta com 12 modelos Super Tucano (FACH)

A força aérea do Chile conta com 12 modelos Super Tucano (FACH)

Super Tucano no Afeganistão

A força aérea do Afeganistão caminha para se tornar um dos maiores operadores do Super Tucano. Com 20 aeronaves, a frota do país vai superar a de importantes clientes do avião da Embraer, como Indonésia (com 16 unidades) e Equador (18 unidades). Na lista geral, os afegãos serão os terceiros, atrás apenas da Colômbia (25 unidades) e o Brasil, maior operador do avião, com cerca de 90 unidades.

Os primeiros Super Tucano do Afeganistão entraram em operação no início de 2016. Apesar de pouco tempo de experiência com a aeronave, as forças afegãs já empregaram o A-29 em combate. Em abril de 2016, o avião da Embraer/SNC participou de uma missão de bombardeiro contra terroristas.

Super Tucano “made in USA”

O Super Tucano também participa da seleção de um importante contrato com a USAF, o “Programa OA-X“. A força aérea americana planeja adquirir cerca de 300 aeronaves de ataque leve e treinamento avançado para substituir os antigos e dispendiosos jatos A-10 Warthog.

O avião oferecido pela parceria Embraer-SNC já participou de uma sessão de testes avançados nos EUA ao lado de concorrentes do mesmo segmento. A escolha da USAF, porém, ainda não foi decidida. Para decidir a seleção, os diretores do Programa OA-X estudam enviar o Super Tucano e seu principal rival, o Textron AT-6 Wolverine, para missões de combate real operadas por oficiais americanos contra terroristas.

Veja mais: Os combates reais já enfrentados pelos aviões da Embraer