O jatinho da Cirrus voa a velocidade de cruzeiro de 556 km/h (Cirrus Aircraft)

O jatinho da Cirrus voa a velocidade de cruzeiro de 556 km/h (Cirrus Aircraft)

A agência reguladora de aviação civil dos Estados Unidos, o FAA, emitiu na quinta-feira (18) uma diretiva de aeronavegabilidade emergencial para o jato Cirrus SF50 e ordenou o aterramento de toda frota no país. O órgão norte-americano pede a revisão e melhorias nos indicadores de ângulo de ataque da aeronave. A paralisação envolve mais de 100 aviões.

A diretiva do FAA foi motivada por três incidentes registrados por jatinhos da Cirrus, entre novembro de 2018 e março deste ano. Como explica a autoridade, os sistemas de alerta e proteção contra estol (sistema SWPS) da aeronave podem não funcionar de forma apropriada.


“A condição observada representa um perigo imediato para os pilotos e passageiros dos aviões modelo SF50 da Cirrus porque pode ser difícil recuperar uma inclinação não comandada em alguns regimes de voo com consequencias potencialmente fatais”, diz a diretiva do FAA.

O FAA ainda acrescentou que o sistema SWPS do SF50 “pode ser acionado mesmo quando há velocidade suficiente e ângulo de ataque adequado para o voo normal”. Os sistema de controle de estol usado no jatinho da Cirrus inclui vibração do stick e alarme sonoro sobre falta de sustentação em voo e também empurra o nariz do avião para baixo automaticamente.

A autoridade de aviação dos EUA explica que o funcionamento incorreto do sistema SWPS pode resultar na ativação de mensagem de alerta ao piloto, acompanhada por um alarme sonoro e a vibração do stick, seguido possivelmente pelo acionamento indevido do controle de velocidade da aeronave e empurrando seu nariz para baixo.

O Cirrus SF50 é uma das mais recentes sensações na aviação executiva. Equipado somente com um motor a jato, o avião para até seis ocupantes tem preço competitivo (menos de US$ 3 milhões) e custo operacional mais baixo. Outro atrativo na aeronave é o sistema de paraquedas balístico que pode ser acionado em situações de emergência.

Veja mais: Boeing completa voos de teste com o 737 MAX atualizado