A Embraer exibiu o E190-E2 em Farnborough com uma pintura especial (Embraer)

A Embraer já entregou três unidades do novo E190-E2 (Embraer)

A Embraer divulgou nesta sexta-feira (19) seus resultados comerciais no terceiro trimestre deste ano, no qual entregou 39 aeronaves nos segmentos de aviação comercial e executiva. Ao todo foram entregues 15 aviões comerciais a companhias aéreas e 24 modelos executivos, sendo 17 jatos leves e outros 7 grandes.

Na comparação com o mesmo período do ano passado, a entrega de jatos comerciais da Embraer sofreu uma queda de 40% – entre julho e setembro de 2017 a fabricante entregou 25 aeronaves. Já as entregas de jatos executivos apresentou leve alta, com a entrega de quatro aeronaves a mais em relação ao resultado do terceiro trimestre do ano anterior.



A carteira de pedidos de aviões comerciais da Embraer encerrou o último trimestre com uma redução de 27,7%, agora avaliada em US$ 13,6 bilhões contra US$ 18,8 bilhões no mesmo período em 2017. Segundo a fabricante, a diminuição foi causada devido a retirada de 134 jatos da lista de encomendas no terceiro trimestre. A maioria desses aviões faz parte de um pedido da companhia SkyWest, dos Estados Unidos, para 100 unidades do novo E175-E2.

Como explicou a fabricante, a encomenda da SkyWest foi removida da carteira de pedidos do terceiro trimestre por conta de dúvidas envolvendo às alterações da cláusula de escopo no mercado dos EUA para permitir que o E175-E2 – que é mais pesado que o E175 atual – seja operado pelas companhias regionais sob contratos de compra de capacidade para linhas aéreas principais.

As outras 34 aeronaves que foram removidas dos pedidos da Embraer no período estão relacionadas a cancelamentos, incluindo um pedido para 24 jatos E190 da companhia JetBlue, que em julho trocou a encomenda de aviões da fabricante brasileira por modelos A220 da Airbus (ex-Bombardier C Series).

No acumulado do ano, a Embraer entregou até o final de setembro 57 jatos comerciais e 55 modelos executivos. No mesmo período do ano passado a empresa havia entregado um total de 78 aviões comerciais e 59 jatos executivos.

De acordo com o Relatório de Perspectivas de Mercado da Embraer, a fabricante estima uma demanda de 10.550 novas aeronaves com capacidade para até 150 assentos nos próximos 20 anos no mundo. A companhia acredita que a frota de aeronaves em serviço nesse segmento deve aumentar para 16.000 unidades no período – essa categoria conta atualmente com 9.000 aeronaves em operação. A empresa ainda afirma que o crescimento do mercado vai estimular 65% dessa necessidade, enquanto os 35% restantes serão para reposição de aviões antigos.

Veja mais: Acordo entre Boeing e Embraer deve ser definido em dezembro