Boeing 777-300ER da Emirates: companhia promoveu redução de voos em vários destinos, incluindo São Paulo e Rio de Janeiro (Aero Ícarus)

Menos de seis meses após estrear seu segundo voo entre Dubai e São Paulo – nesse caso com destino final em Santiago do Chile -, a Emirates Airline decidiu que reduzirá a frequência de cinco para quatro voos a partir do dia 8 de dezembro.

A informação foi confirmada ao portal PanRotas nesta segunda-feira (1) e inclui também o corte de outros dois voos diários entre o Buenos Aires, Rio de Janeiro e Dubai a partir de 7 de março de 2019. Com isso, serão cinco frequências por semana contra sete atualmente. Ambos os voos são operados com aeronaves Boeing 777, da versão -200LR para São Paulo (capacidade para 302 passageiros) e -300ER para o Rio (364 lugares).



Por outro lado, o voo diário entre São Paulo e Dubai, operado com o Airbus A380, permanece inalterado. A aeronave assumiu a rota em abril de 2017, na mesma época em que a concorrente Etihad deixou o Brasil.

Segundo a Emirates, o motivo para a redução envolve adequar a demanda à oferta. Obviamente, ficou claro que o aumento dos voos não teve o efeito esperado. “A decisão foi tomada após uma revisão recente de nossas operações, que foi realizada para garantir a utilização comercial ótima de nossa frota de aeronaves”, explicou a companhia em nota enviada ao PanRotas.

Adequação global

A medida, embora possa parecer específica para a região sul-americana, é mesmo global. A Emirates também divulgou recentemente mudanças em várias outras rotas e na maior parte dos casos envolve a redução de voos. Certos destinos terão troca de aeronaves como Barcelona, Bangkok e Sydney que verão o 777 no lugar do A380 em alguns voos, já outras cidades a estratégia é a mesma do Brasil, enxugamento das frequências, como é o caso de Orlando e Ft. Lauderdale, Praga e Roma.

Airbus A380 estacionado no Terminal 3 do aeroporto de Guarulhos (Airbus)

Voo da Emirates com o A380 não foi afetado pelas mudanças (Airbus)

Veja também: Emirates comemora 10 anos com maior avião de passageiros do mundo