O novo acordo da Emirates prevê a aquisição de 20 jatos A380 e opção para mais 16 unidades (Airbus)

O novo acordo da Emirates prevê a aquisição de 20 jatos A380 e opção para mais 16 unidades (Airbus)

A produção do Airbus A380 pode não estar mais ameaçada, ao menos pela próxima década. A Emirates Airlines assinou nesta quinta-feira (18), em sua sede em Dubai, um “Memorando de Entendimento” para adquirir até 36 unidades adicionais do maior avião de passageiros do mundo, avaliadas em US$ 16 bilhões. O compromisso prevê a aquisição de 20 A380 e opção para mais 16 exemplares, com início das entregas programado para 2020.

“Alguns dos novos A380 que acabamos de encomendar serão usados ​​como substitutos de modelos da frota atual. Este pedido proporcionará estabilidade à linha de produção do A380. Continuaremos trabalhando em estreita colaboração com a Airbus para melhorar ainda mais a aeronave, de modo a oferecer aos nossos passageiros a melhor experiência possível”, contou o Sheikh Ahmed bin Saeed Al Maktoum, presidente executivo da Emirates.


“Essa nova encomenda reafirma o compromisso da Airbus de produzir o A380 pelo menos por mais dez anos. Estou pessoalmente convencido de que mais pedidos seguirão o exemplo da Emirates e que essa fabulosa aeronave continuará em produção pela década de 2030”, apontou John Leahy, chefe de operações da Airbus, que recentemente afirmou que a produção do A380 poderia ser encerrada caso não houvesse um novo pedido da Emirates.

A Emirates é adisparada o maior operador do A380, com um frota de 100 unidades do jato. A companhia de Dubai recebeu o primeiro exemplar da aeronave em julho de 2008.

Além do novo pedido da Emirates, a Airbus ainda tem 95 exemplares (de pedidos firmes) do A380 ainda não entregues, sendo 41 delas destinadas justamente a empresa dos Emirados Árabes – apesar das negociações avançadas, o novo pedido da Emirates ainda não é uma compra firme.

Outros clientes que ainda vão receber o A380 são o grupo irlandês Amadeo, especializado em leasing de grandes aviões, com 20 unidades, e as companhias aéreas Qantas, da Austrália, que espera por oito jatos, e Virgin Atlantic, do Reino Unido, que encomendou seis exemplares. Há também outras 10 aeronaves encomendadas por clientes não identificados.


Sheikh Ahmed bin Saeed Al Maktoum, presidente executivo da Emirates ao lado de John Leahy, chefe de operações da Airbus (Airbus)

Sheikh Saeed Al Maktoum, presidente da Emirates ao lado de John Leahy, chefe de operações da Airbus (Airbus)

A Airbus já entregou 222 A380 para 13 companhias aéreas. O número é bem distante da expectativa que a fabricante traçou na época do lançamento do programa de desenvolvimento da aeronave, no início da década passada, que previa uma demanda por mais de 1.000 unidades do jato comercial de dois andares.

Fim do jejum

A Airbus não recebia uma nova encomenda pelo A380 desde 2015. O grupo europeu anuncia o avião gigante como “parte essencial da solução para o crescimento sustentável para aliviar o tráfego em grandes aeroportos ao movimentar mais passageiros em menos voos”. O quadrimotor europeu tem autonomia de 15.200 km e acomoda em média 575 passageiros.

A Emirates é dona da maior frota de A380, com 100 jatos em operação (Airbus)

A Emirates é dona da maior frota de A380, com 100 jatos em operação (Airbus)

Segundo a fabricante, em mais de 10 anos de operações comerciais, o A380 transportou mais de 200 milhões de passageiros. A fabricante ainda afirma que um A380 pousa ou decola a cada dois minutos em um dos 240 aeroportos no mundo onde opera. Um dos destinos do gigante é o voo diário da Emirates entre São Paulo em Dubai, iniciado em março de 2017.

Veja mais: Gol anuncia retorno de voos para os EUA