O Embraer Ipanema detém 80% do mix de vendas da categoria agrícola

O demonstrador de tecnologia com motor elétrico será baseado no avião agrícola Ipanema (Embraer)

A Embraer entrou oficialmente na corrida dos aviões elétricos. A fabricante anunciou nesta quarta-feira (29) um acordo de cooperação científica e tecnológica com a multinacional brasileira WEG para desenvolver sistemas de propulsão elétrica para a aviação. O primeiro projeto das empresas nessa área será um demonstrador de tecnologia baseado no avião agrícola EMB-203 Ipanema.

“Escolhemos o Ipanema pois é a nossa plataforma que requer poucas modificações para receber os sistemas de propulsão elétrica. Será um protótipo com sistema dimensionado para testar a tecnologia em voos curtos, de 30 minutos”, disse Daniel Moczydlowe, vice-presidente de engenharia e tecnologia da Embraer. O primeiro voo do protótipo está previsto para 2020.


Moczydlowe revelou que a Embraer e a WEG iniciaram as conversações para iniciar o projeto em 2016. “O demonstrador já está pronto na fábrica da Embraer em Botucatu, onde o Ipanema é fabricado. Só falta receber o sistema de propulsão da WEG.”

O executivo da Embraer também disse que o projeto com a WEG será fundamental para ajudar a divisão EmbraerX no desenvolvimento de seu táxi aéreo urbano (eVTOL), em estudo para ser usado em viagens compartilhadas da Uber.

Moczydlowe ainda frisou que o projeto do Ipanema elétrico é “100% da Embraer” e não fará parte do acordo firmado com a Boeing. “A Boeing adquiriu o que já estava desenvolvido e necessário para dar a continuidade do negócio (a divisão de aviação comercial da Embraer). O que está na cabeça dos nossos cientistas continua com a Embraer.”

Este será o primeiro empreendimento da WEG na aviação. A empresa de Jaraguá do Sul (SC) é uma das maiores exportadoras de produtos manufaturados de alta tecnologia do Brasil.


“Nossa tecnologia de powertrain, desenvolvida ao longo de anos para aplicações em trens, ônibus, caminhões e barcos nos habilitou para este grandioso projeto de cooperação. Junto com a Embraer vamos trabalhar não só para viabilizar a propulsão elétrica de aeronaves, mas também para elevar a capacidade tecnológica da WEG, da Embraer e do Brasil, levando nosso país a um patamar ainda mais competitivo”, afirma Manfred Peter Johann, diretor superintendente da WEG Automação.