O novo jato comercial Embraer E190-E2 vai estrear em voos comerciais em 2018 (Embraer)

O novo jato comercial Embraer E190-E2 está programada para estrear no primeiro semestre de 2018 (Embraer)

De acordo com sua mais recente perspectiva de mercado, a Embraer estima uma demanda de mercado para 6.400 novos jatos no segmento de 70 a 130 assentos (2.280 unidades no segmento de 70 a 90 assentos e 4.120 unidades no segmento de 90 a 130 assentos), cujo valor é de aproximadamente US$ 300 bilhões, até 2036.

Como aponta o estudo da fabricante, a frota mundial de jatos em serviço no segmento de 70 a 130 assentos aumentará de 2.700 aviões em operação em 2016 para 6.710 em 2036, sendo o crescimento mais rápido entre todos os segmentos da aviação comercial. O documento ainda aponta que crescimento do mercado será responsável por 63% da demanda enquanto a substituição de aeronaves antigas corresponderá aos 37% restantes.

A Embraer participa e lidera esse segmento no mercado mundial com as aeronaves da família E-Jets, composta pelo E170, E190 e o E195 – a empresa já entregou mais de 1.300 unidades desde 2004. A partir de 2018, entra em operação a segunda geração E-Jets 2, com a estreia do E190-E2. Mais adiante ainda serão lançados os modelos E195-E2 e E175-E2.

Na visão da fabricante brasileira, os E-Jets são “aeronaves de tamanho ideal”, que proporcionam “maior controle no ajuste da capacidade de assentos à demanda de mercado”, gerando maior receita aos operadores.

“O melhor controle de oferta de assentos permite uma busca contínua por maiores lucros e eficiência. A capacidade de retomar o crescimento da receita unitária, em lugar da expansão agressiva de capacidade de assentos, é crucial”, disse John Slattery, Presidente & CEO da Embraer Aviação Comercial.

Veja mais: Airbus entrega centésimo jato A350 XWB