Embraer 190

Nem crise nem demissões têm impedido que a Embraer enxergue mais longe. A empresa estuda pacientemente uma nova família de aeronaves comerciais, mas reconhece que o momento não é oportuno para decidir pelo lançamento de um programa desse porte.
Em entrevista à revista Flight International, o presidente da Embraer, Fred Curado, reconheceu que existem várias possibilidades a seguir. A mais coerente seria uma nova família de jatos maiores que o E-195 para competir com os CS da Bombardier. Mas há outras ideias como um novo derivado mais avançado da própria família E-170 ou mesmo turboélices.

“Há companhias que são contra os turboélices, mas existem empresas totalmente favoráveis”, disse Curado à publicação. O executivo também confessou que a Embraer aguarda os próximos passos da Boeing e da Airbus, que estudam uma nova geração de jatos de corredor único. O objetivo é evitar o confronto com os dois gigantes.


Outro aspecto decisivo diz respeito aos motores. A Pratt & Whitney desenvolve uma nova tecnologia de turbofans batizada de GTF e que consiste em separar o fan principal do restante da turbina, que poderão girar em velocidades diferentes. O resultado é um consumo menor e também dimensões mais compactas. Porém, a nova arquitetura não foi totalmente aprovada.

É uma questão, no entanto, que a Embraer tem tempo para pensar afinal sua linha de produtos ainda é bastante moderna ao contrário de suas rivais.