A Força Aérea Brasileira vai receber 28 jatos KC-390 em 12 anos a partir da primeira entrega, em 2018 (FAB)

A Força Aérea Brasileira vai receber 28 jatos KC-390 em 12 anos a partir da primeira entrega neste ano (FAB)

O Embraer KC-390, nova aeronave multimissão de transporte militar do Brasil, já está “97% desenvolvida” e, neste primeiro semestre, concluíra a fase de testes de voo, apontou a Força Aérea Brasileira (FAB), em reportagem publicada na revista Aerovisão, editada pela própria FAB. Segundo a corporação, as duas primeiras unidades serão recebidas pela Ala 2, em Anápolis (GO), neste ano. Ao todo, o governo brasileiro encomendou 28 aeronaves, que serão entregues pela Embraer no decorrer dos próximos 12 anos.

Segundo a FAB, os dois protótipos do KC-390 construídos para a campanha de testes somam aproximadamente 1.500 horas de voo e mais de 40.000 horas de testes em laboratórios. Esse período de ensaios já garantiu a aeronave a “Capacidade Inicial de Operação” (IOC na sigla em inglês), certificação que assegura as condições mínimas para o início das operações do avião. O novo cargueiro da Embraer também obteve um certificado de tipo provisório da ANAC, atestando a adequação do projeto aos requisitos de homologação para aeronaves de transporte.



A conclusão do processo de certificação será realizado em duas etapas; uma delas estabelece a homologação do KC-390 no âmbito da aviação civil, que já foi conquistado na IOC. A certificação final da ANAC contempla itens básicos para operações militares, como características fundamentais para o voo, atestando segurança, qualidade de voo, possibilidade de reabastecimento em voo, transporte de cargas e lançamento. A outra etapa prevê a integração de todos os sistemas de uso militar, que será iniciada a partir da entrega dos primeiros KC-390 para a FAB este ano.

Em entrevista a revista da FAB, o Coronel Samir Mustafá, gerente do Programa na Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC), afirmou que os terceiro e quarto protótipos estão na linha de montagem e serão entregues à força aérea em junho deste ano.

“As duas unidades vão ser entregues com capacidade inicial, com condições de cumprir variadas missões, como transporte aerologístico, lançamento de fardos e paraquedistas, tanto pela rampa quanto pela porta, entre outras”, disse o Coronel Mustafá. O militar ainda relembrou que participar das suas etapas (ensaios e linha de montagem) garante também que a linha de produção da aeronave seja certificada – o KC-390 é finalizado na fábrica da Embraer em Gavião Peixoto (SP).

Ainda de acordo com o Coronel, os dois protótipos que serão recebidos pela FAB serão utilizados pela própria corporação para alcançar a certificação da aeronave em missões militares, que deve ser completada nos próximos dois anos. Estão previstas certificações complementares de reabastecimento em voo (REVO), operação de sistemas de guerra eletrônica e lançamento de cargas pesadas. Com essas etapas finalizadas, o KC-390 vai atingir a Capacidade Final de Operação (Final Operational Capability – FOC), atendendo às demandas de operadores civis e militares.

O KC-390 é o maior avião já desenvolvido pela Embraer (FAB)

O KC-390 é o maior avião já desenvolvido pela Embraer (FAB)

Mais testes

Para completar a certificação de operação, o KC-390 ainda precisa ser testado em todas as tarefas para as quais foi projetado. Uma dessas exigências é a capacidade de operar na Antártica, que reúne condições climáticas adversas e submete a aeronave a situações extremas. Segundo a FAB, testes em ambiente com gelo e neve serão realizados ainda nos primeiros meses deste ano. Em situações opostas, de forte calor, o jato já foi aprovado: o avião esteve nos Emirados Árabes e na Arábia Saudita em 2017, onde enfrentou temperaturas de até 49 graus Celsius.

Também é previsto para o final deste a ano a fase final de testes de reabastecimento aéreo, que serão realizados no Rio de Janeiro. Até o momento, o KC-390 executou somente “contatos secos” com caças F-5, sem completar a transferência de combustível em voo. O próximo passo é concluir o protocolo de testes e abastecer outras aeronaves – os próximos ensaios de reabastecimento aéreo serão realizados com o caça-bombardeiro A-1 e o helicóptero H-36 Caracal.

O caça F-5 fez contato com a mangueira, mas ainda não recebeu combustível (Divulgação)

O caça F-5 da FAB já realizou provas de “contato seco” com o KC-390 (Divulgação)

De acordo com a FAB, o KC-390 em missão de reabastecimento aéreo pode transportar até 23,2 toneladas de combustível, quase o limite de carga da aeronave, projetada para carregar até 26 toneladas. Além de abastecer aviões e helicópteros, o novo avião da Embraer também poderá ser reabastecido por aeronaves abastecedoras, como o KC-130 Hercules ou mesmo outro KC-390.

Mercado

O KC-390 foi desenvolvido pela Embraer a pedido da FAB para substituir a antiga frota de cargueiros turbo-hélice C-130 Hercules e ainda superar suas capacidades e desempenho. Além de atender as demandas do Brasil, o jato militar fabricado do Brasil tem potencial para receber aproximadamente 300 pedidos de forças militares do mundo todo no próximo ano, o que pode representar uma injeção de até US$ 20 bilhões na economia brasileira.

Como se trata de propriedade intelectual desenvolvida no Brasil, a cada jato vendido pela Embraer, o Governo Brasileiro vai ter um retorno financeiro que pode ser novamente enxertado na economia. A expectativa é de que R$ 2,34 bilhões de royalties sejam gerados e R$ 2,4 bilhões em impostos.

“Esperamos que essa aeronave tenha sucesso comercial digno do esforço que foi feito para desenvolvê-la. Em termos de produto, ela é uma aeronave que supera a expectativa de qualquer cliente. Isso foi constatado nas nossas viagens de demonstração da aeronave tanto em 2016 quanto em 2017, quando todos os potenciais clientes da aeronave se encantaram com suas capacidades e se surpreenderam positivamente”, acrescenta o Coronel Samir.

Veja mais: Trump consegue “desconto” na compra do novo Air Force One