O EC-130 já entrou em ação em combates no Caribe e Oriente Médio (USAF)

O EC-130 já entrou em ação em conflitos no Caribe e Oriente Médio (USAF)

Em 1990, durante a Guerra do Golfo no Iraque, soldados do exército de Saddan Hussein entrincheirados no deserto receberam chamados em seus rádios com a seguinte mensagem em árabe: “A única forma de encontrar segurança é na fronteira com a Arábia Saudita. É lá que os bombardeiros e a fome terminam. As forças da coalização oferecem asilo, cama quente, atendimento médico e três refeições por dia. Rendam-se. Abrace seus irmãos árabes e compartilhe a paz”.

A mensagem que invadiu a frequência dos rádios iraquianos foi transmitida por um Lockheed EC-130 “Commando Solo”, um avião da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) que atua como instrumento de guerra psicológica. Considerado uma das aeronaves mais sigilosas do mundo, o aparelho com equipamentos eletrônicos foi desenvolvido para perturbar as comunicações do inimigo ou então interferir na programação de canais de televisão e estações de rádio de uma região.


Estacionados na base aérea de Harrisburg, na Pennsylvania, os EC-130 da USAF parecem cargueiros Hercules normais, tanto que é permitido visitá-los de perto, mas somente por fora. Interessados em conhecer o interior da aeronave precisam de uma autorização de segurança máxima do Pentágono.

Sabotador eletrônico

Introduzidos em 1975, os EC-130 têm até hoje muitos detalhes guardados a sete chaves. Também chamados de “sabotadores eletrônicos”, essas aeronaves podem transmitir em qualquer frequência, como rádio AM e FM, televisão a cores ou preto e branco e bandas curtas, normalmente sinais de alta frequência usados por equipamentos de comunicação militar.

Os sinais de interferência do EC-130 Commando Solo são emitidos por antenas em forma de lâminas instaladas no dorso da fuselagem e na deriva, além de pods nas asas, dando a esse Hercules um aspecto único e até bizarro. Além disso, a aeronave ainda leva duas antenas de cabo rebocáveis retráteis. Uma desenrola-se horizontalmente, algumas centenas de metros atrás do avião, enquanto a outra pende verticalmente da fuselagem.

As antenas do EC-130 podem interferir em praticamente qualquer tipo de sinal, civil ou militar (USAF)

As antenas do EC-130 podem interferir em praticamente qualquer tipo de sinal, civil ou militar (USAF)

A tripulação de um EC-130 é composta por 11 membros: dois pilotos, navegador, oficial de guerra eletrônica, dois mecânicos e cinco operadores de sistemas eletrônicos.

Histórico operacional

A primeira utilização do EC-130 foi durante a Invasão de Granada, em 1983. Na ocasião, a aeronave da USAF foi utilizada como estação de rádio para comunicar-se com tropas e civis norte-americanos em solo, enviando informações sobre as ações militares e de evacuação.

O EC-130 é operado por uma tripulação de 11 membros (USAF)

O EC-130 é operado por uma tripulação de 11 membros (USAF)

Os Commando Solo também foram enviados duas vezes ao Hati. Na primeira, em 1994, a aeronave transmitiu programas de televisão e rádio no país para alertar e enviar informações a população sobre os riscos do conflito civil que estava em andamento no país.

Em 2010, após o terremoto que arrasou o Haiti, o EC-130 voltou ao país, desta vez como posto de comando central para orientar as ações humanitárias em solo.

A utilização mais recente da aeronave foi sobre a Líbia, em 2011, durante o processo que levou a queda do ditador Muamar Kadafi. Uma mensagem enviada por uma estação da Holanda e retransmitida pelo EC-130 dizia o seguinte: “Os navios militares e demais embarcações com bandeira da Líbia não têm permissão para deixarem o porto. As forças do regime de Kadafi estão violando uma resolução das Nações Unidas, que ordena o fim das hostilidades no país. O navio que tentar sair do porto será atacado e destruído imediatamente. Não tentem deixar o porto”.

A Guarda Aérea Nacional dos EUA mantém seis EC-130 ativos (USAF)

A Guarda Aérea Nacional dos EUA mantém seis EC-130 ativos (USAF)

Os EUA mantém atualmente seis EC-130 ativos, incluindo um modelo de nova geração, baseado na versão mais recente do Hercules, o C-130J, mantidos sob o comando da Guarda Aérea Nacional (Air National Guard).

Considerado essencial durante um conflito moderno, o EC-130 é o único avião das forças armadas dos EUA capaz de destruir a alma e o coração dos inimigos sem precisar disparar uma única bala ou mesmo evitando o combate por outros meios, forçando a rendição do inimigo.

Veja mais: O massacre do Harrier na Guerra das Malvinas