A companhia russa acredita que o Lancet-3 tem grande potencial para ser exportado (Divulgação)

O grupo russo Kalashnikov, o mesmo que produz o famoso fuzil AK-47, apresentou nesta terça-feira (25) o ZALA Lancet-3, um drone de ataque “kamikaze” projetado para localizar e destruir de forma autônoma alvos no ar, em terra e na água. O equipamento muito parecido com um míssil foi revelado durante o fórum militar internacional ARMY 2019, realizado nesta semana na Rússia.

Segundo a ZALA Aero, subsidiária da Kalashnikov que projetou o equipamento, o Lancet-3 não requer nenhuma infraestrutura adicional baseada em terra ou mar para localizar e engajar seus alvos. A empresa ainda acrescenta que o drone “pode confiar em seus próprios módulos de reconhecimento, navegação e comunicação para realizar um ataque de precisão”.


O drone é equipado com vários sistemas de orientação para alcançar seus objetivos, como navegador GPS e sensores eletro-ópticos. Além disso, o equipamento também transmite continuamente toda sua trajetória em vídeo, o que segundo seus projetistas é importante para confirmar a destruição bem-sucedida dos alvos. O detonador do componente de ataque possui um sistema de ação pré-contato. Ou seja, o Lancet é detonado pouco antes de atingir o alvo.

O equipamento é impulsionado por motor a hélice pusher (na parte traseira), embora o fabricante não tenha revelado detalhes da propulsão. De acordo com dados do grupo russo, o drone pode decolar com peso máximo de 12 kg e tem alcance de até 40 km. Já a velocidade máxima do Lancet-3 é de 110 km/h.

“Este sistema é superior aos tipos padrão de armas, mas custa desproporcionalmente menos”, disse Sergey Chemezov, diretor-executico na Rostec, conglomerado de fabricantes de equipamentos militares da Rússia dono da Kalashnikov, que por sua vez controla a fabricante do Lancet-3, a ZALA Aero.


O Lancet-3 é a segunda geração de drones de ataque da ZALA, embora nenhum aparelho tenha sido adquirido por forças armadas. No ano passado, a companhia apresentou o Lancet-1, modelo com formato e modo de operação semelhante ao do novo equipamento, mas com porte e desempenho inferiores.

Veja mais: São Paulo tem primeiro delivery de comida realizado drone na América Latina