HondaJet Elite na LABACE: avião da Honda está compensando a longa espera

Um dos projetos mais longos do mercado de aviação executiva, o HondaJet começa a compensar a longa espera. Após três anos de produção, o birreator da Honda acumula quase 85 unidades entregues, 20% delas no primeiro semestre deste ano.

Longe de estar satisfeita, a fabricante já desenvolveu uma nova versão mais eficiente e capaz, a Elite, que esteve presente na edição deste ano da LABACE, maior feira de aviação executiva da América Latina. Com um novo tanque de combustível, o jato teve seu alcance ampliado em 19% chegando agora a 2.667 km. Além disso, ele conta com um assento a mais em conjunto com uma galley e um pequeno lavatório. De quebra, a Honda incluiu algumas novas funções na suíte de aviônicos Garmin G3000. Com isso, o HondaJet Elite é oferecido por US$ 5,25 milhões (pouco mais de R$ 20 milhões).



É um dos jatos executivos mais baratos do mercado, competindo diretamente com o Embraer Phenom 100 e Cessna Citation M2. E o avião japonês (fabricado nos EUA) tem se saído bem. Em 2017 ele foi o modelo mais entregue no mundo no primeiro semestre com 24 unidades. No Brasil, o jatinho já possui três unidades registradas, uma delas da Líder Táxi Aéreo, responsável pela sua comercialização.

O primeiro exemplar pousou no país em abril e pertence a uma empresa agrícola do interior de São Paulo. O mais recente HondaJet também foi adquirido por um cliente paulista do setor do agronegócio.

Projeto impossível

Em entrevista no Brasil em 2015, Michimasa Fujino, presidente da Honda Aircraft Company e criador do HondaJet admitiu que seu projeto recebeu várias críticas quando foi apresentado. O conceito de motores montados sobre as asas era considerado impossível de ser implementado, mas Fujino pensava o contrário: graças a essa configuração o avião seria capaz de ter um peso muito leve e uma cabine espaçosa afinal não haveria nenhum componente estrutural dos motores que ocupasse espaço na fuselagem.

Para provar sua ideia, o engenheiro convenceu a Honda a investir na pesquisa desse avião e no início dos anos 90 a empresa bancou a construção de um protótipo, o MH02 com asa alta de enflechamento negativo e dois motores sobre ela. A aeronave realizou vários voos, o suficiente para que a Honda bancasse o lançamento de um jato executivo.

Ainda assim a vida de Fujino continou cheia de provações. Em 1997 ele desenhou o que seria o HondaJet e construiu seu primeiro protótipo nos anos seguintes. O jato voou pela primeira vez em 2003 e dois anos depois a Honda passou a oferecê-lo ao mercado de aviação executiva.

No entanto, foram cinco anos para que a Honda conseguisse colocar no ar um protótipo que atendia os requisitos de homologação do FAA (agência de aviação civil americana). Em 2014 o primeiro exemplar de produção voou enquanto a empresa japonesa preparava sua fábrica no estado americano da Carolina do Norte. A esperada certificação americana foi obtida em 2015 e no ano seguinte na Europa.

A meta agora é tirar o atraso ao acelerar o ritmo de produção para 80 unidades por ano em 2019, cerca de duas décadas de sair das pranchetas, demonstrando que a paciência japonesa é realmente uma virtude.

Veja também: Embraer entrega primeiro Phenom 300E

85 unidades haviam sido entregues em 2018