A porta frontal do Boeing 747-800F permite o embarque de cargas volumosas (Boeing)

A porta frontal do Boeing 747-800F permite o embarque de cargas volumosas (Boeing)

Eles não têm janelas, têm idade avançada e quase sempre ficam estacionadas no fundo dos pátios, longe do pontos de embarque de passageiros. Ou nem são vistos, pois costumam operar em aeroportos secundários. Os aviões de carga, que parecem até discretos, são uma parte importante na aviação mundial e a única forma de transportar grandes objetos por longas distância em pouco tempo.

E as frotas de carga são tão grandes quanto às de aeronaves que transportam passageiros. Segundo o balanço mais recente da IATA (sigla em inglês para “Associação Internacional de Transportes Aéreos”), a aviação transportou 33,2 milhões de toneladas de cargas em rotas internacionais em 2014 – algo como transportar uma pirâmide de Gizé, bloco por bloco, do Egito para outro ponto.


Segundo números da IATA, a região Ásia-Pacífico foi a que mais movimentou cargas em aviões, com 38,9% de todo volume transportado em rotas internacionais, segundo o índice de 2014. Em segundo lugar vem a Europa, com 22,7% do mix, seguido no mercado na América do Norte, com 16,6%. Já o Oriente Médio deteve 16,2% e a América Latina ficou com 3,6%. A África teve apenas 2% de participação.

Muitas dessas aeronaves são modelos convertidos que um dia já transportaram passageiros. É fácil encontrar jatos com 20, 30 anos, ou até mais. Aviões já aposentados em linhas aéreas, como os jatos Airbus A300 e as primeiras séries do Boeing 747, continuam voando na função mais pesada.

A porta de carga é um dos principais itens da conversão do 737-800BCF (Boeing)

Aviões de carga precisam de portas especiais para o embarque de grandes volumes (Boeing)

Outros aparelhos transformados em exímios cargueiros foram os trimotores DC-10 e MD-11, que no passado podiam transportar mais de 300 passageiros.

Essas aeronaves veteranas são completamente modificadas na conversão para o transporte de carga. Assentos são removidos, partes da fuselagem são trocadas por chapas sem janelas, e portas especiais são instaladas. Os volumes são transportados em paletes que deslizam pelo interior da aeronave e o peso das cargas deve ser cuidadosamente equilibrado na cabine para não comprometer as condições de voo e segurança.


Há também fabricantes que oferecem aviões “zero km” já preparados para a função de carga. A Boeing, por exemplo, tem a linha “Freighter” (“Cargueiro”, em inglês), com opções como o 737-800F e o 747-800F, com uma porta de carga no nariz.

O ranking da IATA, elaborado pelo WATS (“Estatíticas de Transporte Aéreo”), contabiliza a movimentação doméstica e internacional de carga realizada tanto por aeronaves cargueiras, como também volumes transportados “de carona” nos porões de aeronaves com passageiros. A associação conta com o apoio de mais de 200 companhias aéreas do mundo todo.

Veja a seguir a seguir quantas toneladas de cargas as 10 maiores companhias dessa categoria carregaram pelos céus, contando o mercado doméstico e internacional, e algumas de suas principais aeronaves:

1- Fedex

As companhias aéreas dos Estados Unidos são as campeãs mundiais em transporte de passageiros e também de cargas. A maior parte desses “pacotes” é transportado pela Fedex, a maior transportadora aérea do mundo e dona da segunda maior frota de aeronaves comerciais do planeta, atrás apenas da American Airlines com seus quase 1.000 aviões.

A Fedex possui a segunda maior frota comercial de aeronaves do mundo, com mais de 600 aparelhos (Fedex)

A Fedex possui a segunda maior frota comercial de aeronaves do mundo, com mais de 600 aparelhos (FedEx)

Segundo o website da empresa, a frota atual da Fedex dispõe de 649 aeronaves. E de todos os tipos e tamanhos. A empresa voa, por exemplo, com os Boeing 757 e 777, veteranos DC-10 e MD-11, e até o monomotor Cessna 208 Caravan, utilizado para entregas em locais remotos.

A companhia opera atualmente em 370 destinos no mundo inteiro e realiza cerca de 8 milhões de entregas todos os dias. A Fedex possui um dos sistemas de logística e movimentação de funcionários (mais de 280 mil no mundo todo) mais complexos e agitados do mundo. A especialidade da empresa é serviço “porta a porta”: sem sair de casa, é possível enviar uma encomenda para praticamente qualquer destino no mundo.

A empresa opera com dezenas de jatos MD-11 (Frank Kovalchek)

A empresa opera com dezenas de jatos MD-11 (Frank Kovalchek)

Para controlar o enorme fluxo de entregas, a Fedex foi uma das primeiras empresas a utilizar o código de barras em escala industrial, no final da década de 1970.

Segundo balanço do WATS, em 2014 as aeronaves do grupo Emirates transportaram 11,2 milhões de toneladas em cargas.

O Cessna 208 é utilizado para realizar entregas em locais remotos (Greg Goebel)

O Cessna 208 é utilizado para realizar entregas em locais remotos (Greg Goebel)

2- Emirates

Companhia aérea mais valiosa do mundo, a Emirates Airlines fatura alto transportando cargas. A empresa de Dubai possui uma divisão especial de carga, a Sky Cargo, com 14 aeronaves, entre jatos Boeing 747 e 777. Mas a maior parte dos volumes é transportado nos mais de 230 aviões convencionais que voam com as cores da Emirates, como o enorme Airbus A380.

Segundo o WATS, as aeronaves do grupo Emirates transportaram 11,2 milhões de toneladas de volumes em 2014.

A Emirates possui cargueiros já convertidos de fábrica (Emirates Airlines)

A Emirates/Sky Cargo possui cargueiros já convertidos de fábrica (Emirates Airlines)

3-UPS

Principal concorrente da Fedex, a UPS é outra transportadora que permite enviar facilmente encomendas para qualquer lugar. A empresa opera em 346 destinos no mundo e outros 381 nos EUA, onde disputa a entrega de cada pacote com sua rival conterrânea.

No mercado doméstico, a UPS transportou 4,1 milhões de toneladas em 2014, contra 7,1 milhões de toneladas da Fedex, que lidera com larga vantagem. Somando o volume transportado fora dos EUA, a “United Parcel Services” transportou 10,9 milhões de toneladas de cargas em seus 237 aviões.

A UPS também aproveitou muitos MD-11 aposentados no serviço de transporte de passageiros (UPS)

A UPS também aproveitou muitos MD-11 aposentados no serviço de transporte de passageiros (UPS)

As principais aeronaves da UPS em rotas domésticas e de curta alcance são os jatos Boeing 757 e Airbus A300. Já em longas viagens e para cargas pesadas, a empresa tem a disposição aparelhos como o Boeing 747-400F e 767-300F, além de quase 40 modelos MD-11.

4- Cathay Pacific Cargo

Aproveitando a enorme movimentação da Ásia e a proximidade com o Oriente Médio, a Cathay Pacific Cargo está a cada ano aumentando o peso de suas cargas e o tamanho de sua frota, hoje com jatos como Boeing 747 antigos. A divisão de carga também opera modelos Boeing 777 e Airbus 330.

A empresa ainda despacha cargas em seus aviões de passageiros, da Cathay Pacific Limited, e também com sua subsidiária Dragon Air. Em 2014, a empresa de Hong Kong, com seus mais de 140 jatos, transportou por via aérea 8 milhões de toneladas de cargas nos mercados doméstico e internacional.

A Cathay Pacific Cargo possui uma frota com mais de 140 aeronaves (Cathay Pacific Limited)

A Cathay Pacific Cargo opera com jatos Boeing 747-400  (Cathay Pacific Limited)

5 – Korean Air Cargo

A maior companhia aérea da Coreia do Sul é também uma das maiores empresas cargueiras na Ásia. A Korean Air e sua divisão de carga Korean Air Cargo, transportaram 8 milhões de toneladas de cargas em 2014.

A Korean Air Cargo possui uma frota exclusiva com 28 aeronaves, todas de grande porte. A empresa tem no inventário os jatos Boeing 747-400F e os mais recentes 747-800F, além de modelos Boeing 777 na versão Freighter.

O Boeing 747-400F é o principal cargueiro da Korean Air Cargo (Maarten Visser)

O Boeing 747-400F é o principal cargueiro da Korean Air Cargo (Maarten Visser)

6 – Lufthansa Cargo

Maior transportadora aérea da Europa, a Lufthansa e sua divisão Lufthansa Cargo transportaram 7 milhões de toneladas de cargas no mercado doméstico e internacional, em 2014. A principal aeronave de carga da empresa alemã é o MD-11 – são 14 aparelhos, inclusive o último modelo da série, fabricado no ano 2000. A companhia também voa com outros cinco Boeing 777 de carga.

O último MD-11 produzido, no ano 2000, pertence a Lufthansa Cargo (Lufthansa)

O último MD-11 produzido, no ano 2000, pertence a Lufthansa Cargo (Lufthansa)

7 – Singapore Airlines Cargo

A Singapore Airlines também possui uma divisão especial de cargas, especialmente para grandes volumes. A Singapore Airlines Cargo conta com nove jatos Boeing 747-400F, modelo que pode carregar em um único voo mais de 100 toneladas.

Além da frota cargueira, a companhia de Singapura também movimenta cargas em suas aeronaves com passageiros em rotas para todos os continentes. Segundo números da IATA, a empresa transportou seis milhões de toneladas de cargas em 2014, no mercado doméstico e internacional.

A Singapore Airlines Cargo opera somente com jatos Boeing 747-400F (Divulgação)

A Singapore Airlines Cargo opera somente com jatos Boeing 747-400F (Divulgação)

8 – Qatar Airways Cargo

O Oriente Médio está em posição estratégica no transporte aéreo. Não é o maior destino de cargas ou passageiros, mas é um dos pontos mais movimentados de escalas entre o Ocidente e o Oriente, por isso a região possui companhias com números tão expressivos. A Qatar Airways é um delas e também possui uma importante divisão de carga, a Qatar Airways Cargo.

A divisão cargueira da Qatar voa com os jatos Boeing 777F e Airbus A330-200F. Os porões de aeronaves de passageiros também são aproveitados pela Qatar Cargo, que em 2014 transportou 5,9 milhões de toneladas em cargas, segundo o índice da IATA.

A Qatar Airways Cargo é outra companhia que aproveitou muito bem a demanda do Oriente Médio (Divulgação)

A Qatar Airways Cargo é outra companhia que aproveitou muito bem a demanda do Oriente Médio (Divulgação)

9 – CargoLux

Luxemburgo é um dos menores países do mundo, mas sua economia é de dar inveja a muitos países com vastas extensões territoriais. Uma das “joias” do Grão Ducado é a companhias aérea CargoLux, fundada em 1970. O mote da empresa é o transporte de cargas valiosas.

O cliente mais famoso da CargoLux é a Fórmula 1. A cada corrida, os carros e equipamentos da categoria são carregados em jatos Boeing 747 da empresa e transportados para o próximo GP. A empresa possui atualmente 21 aeronaves, modelos 747-400F e os novos 747-800F.

Segundo números da IATA, a companhia de Luxemburgo carregou 5,9 milhões de toneladas de cargas em 2014.

A CargoLux é baseada em Luxemburgo (CargoLux)

A CargoLux é baseada em Luxemburgo (CargoLux)

10 – China Airlines Cargo

A China Airlines, companhia estatal de Taiwan, é outra asiática que investe pesado no mercado de cargas. A empresa possui 18 jatos Boeing 747-400F na divisão China Airlines Cargo e também utiliza o espaço nas mais de 80 aeronaves na configuração de passageiros.

Um detalhe curioso: a maioria dos aviões da China Airlines são de grande porte. A frota da empresa possui aeronaves como os Airbus A330 e A340, e os Boeing 747-800 e 777, utilizados tanto no mercado doméstico como em voos internacionais. A exceção é o Boeing 737, a menor aeronave da companhia de Taiwan.

De acordo com dados do IATA, a empresa transportou por via aérea 5,2 milhões de toneladas de cargas, em 2014, e ficou na décima colocação mundial na categoria.

Um dos Boeing 747 de carga da China Airlines Cargo (BriYYZ)

Um dos Boeing 747 de carga da China Airlines Cargo (BriYYZ)

Veja mais: Conheça as maiores “low-cost” do mundo

Fonte: IATA