Ryanair

Ryanair

O empresário irlandês Declan Ryan não poderia ter sido mais direto em sua resposta ao fato de não planejar investir no Brasil: “Iniciamos negociações em todos os países da região menos no Brasil, onde há muita corrupção”, disse ao jornal argentino La Nacion. Ryan é co-fundador da Ryanair, uma das mais agressivas companhias aéreas de baixo custo do mundo.

O empresário esteve nos últimos dias na Argentina onde anunciou que sua empresa voará a partir de 2017. Para isso, deve adquirir a companhia local Andes. Hoje o grupo atua em dois outros países do continente com a empresa Viva, o México e a Colômbia. A ideia é que essa marca se espalhe por outros mercados da região.


A Ryanair, ao contrário de outras iniciativas supostamente de baixo custo, tem como meta oferecer tarifas de cerca de 50 dólares (cerca de R$ 170). Ryan aponta como fato crucial para esse tipo de negócio funcionar, as taxas aeroportuárias. Segundo ele, é preciso existir concorrência, algo que mesmo na Argentina não encontrará – nada menos que 35 dos 38 principais aeroportos do país são operados pela mesma empresa.

viva-colombia

Mas, afinal, por que razão investir numa região conhecida pelo excesso de burocracia, taxas e a já reconhecida por ele corrupção? O executivo responde com estatística: apenas 2,5% da população colombiana viajava de avião antes da chegada da Viva e agora esse percentual é de 10%. Ele citou um exemplo europeu, a Espanha, onde existem cinco empresas aéreas de baixo custo e quase 80% dos espanhóis utilizam o transporte aéreo.

Viagens de avião em pé


Embora tenha justificado seu desinteresse no Brasil por uma razão verídica, Declan Ryan pode ter optado em fazer um jogo de cena afinal o mercado brasileiro de aviação é um dos maiores do mundo. Em que pese as dificuldades em se fazer negócio aqui, como o alto custo do combustível de aviação ou as taxas aeroportuárias pesadas, é difícil crer que a empresa irlandesa irá ignorar o país por muito tempo caso tenha sucesso em nossos vizinhos.

Voando quase em pé: proposta é uma das ideias inusitadas da Ryanair para baixar custo dos voos (SCPR.org)

Voando quase em pé: proposta é uma das ideias inusitadas da Ryanair para baixar custo dos voos (SCPR.org)

Fato é que um “colega” seu, com uma visão semelhante do transporte aéreo, teve sucesso em sua empreitada brasileira. O empresário americano David Nelleman, criador da JetBlue, companhia de baixo custo americana, fundou a Azul Linhas Aéreas em 2008 e a transformou na companhia nacional com o perfil mais próximo de uma “low-cost”.

Ousadia não falta a Ryanair que, entre suas ideias mirabolantes, chegou a propor a ideia de voos com passageiros em pé para poder acomodar mais pessoas a bordo e baixar o custo das passagens. Pensando bem, se essa for a estratégia da empresa para nossa região que ele fique apenas na vizinhança.

Veja também: Empresa quer levar passageiros em pé em voos