O Kfir, fabricado em Israel, é uma "cópia melhorada" do caça francês Mirage III (facmilitar)

O Kfir, fabricado em Israel, é uma “cópia melhorada” do caça francês Mirage III (facmilitar)

A Força Aérea da Colômbia (FAC – Fuerza Aérea Colombiana), hoje uma das mais poderosas da América Latina, completou neste mês o projeto de modernização de sua frota de caças Kfir. O processo de atualização das aeronaves, iniciado em 2015, foi realizado no próprio país pela IAI, empresa de Israel que também é a fabricante do caça.

Segundo a empresa israelense, as aeronaves colombianas, 22 exemplares ao todo, receberam sistemas de voo da “geração 4,5” (a mais avançada atualmente é a geração 5) que permitem o uso de armamentos mais avançados com maior alcance e precisão. Outra modificação importante foi a troca de motores por modelos novos e mais modernos.



A IAI ainda afirma que os Kfir modernizados entregues à FAC alcançaram uma capacidade operacional e um nível de combate similares às do F-16 Falcon, tradicional caça da Lockheed-Martin. Esse mesmo programa de atualização e sobrevida também estão sendo realizados com os Kfirs das forças aéreas do Equador e Sri Lanka.

“O Kfir modernizado é um avião de combate multipropósito contruído em Israel com aviônica de ponta, sistemas avançados e de armas e autoproteção, reabastecimento aéreo e outras características que o tornam uma das máquinas de guerra aérea mais eficientes do mundo”, disse Joseph Weiss, CEO da IAI.

“Esse projeto é de importância primordial para a força aérea colombiana e outro grande exemplo de nossa parceria de longa data com a IAI. A combinação de radar, sistemas de comunicação e tecnologias avançadas fez do Kfir o líder de esquadrão que ele é”, comentou o general Carlos Eduardo Bueno, comandante da FAC.

A Colômbia possui atualmente a maior frota de caças Kfir em operação, com 22 aparelhos (FAC)

A Colômbia possui atualmente a maior frota de caças Kfir em operação, com 22 aparelhos (FAC)

Leãozinho de Israel

Em 1967, logo após a Guerra dos Seis Dias, Israel enfrentou um embargo de vendas de armas imposto pela França, que era seu tradicional fornecedor de material bélico. Cercado de ameaças e precisando reforçar seu arsenal, o país, por meio da Israel Aerospace Industries (IAI), decidiu desenvolver de forma independente seu próprio caça-bombardeiro.

O Kfir, que em hebraico significa “leãozinho”, é uma transformação radical (e até mais avançada) do caça francês Dassault Mirage III/5. Seu desenvolvimento começou de forma secreta e em várias fases Israel conseguiu desenhos de projetos de sistemas e motores por meio de ações de espionagem.

Entre as décadas de 1970 e 1980, o Kfir foi o principal caça de Israel (IAF)

Entre as décadas de 1970 e 1980, o Kfir foi a principal aeronave de defesa de Israel (IAF)

A aeronave da IAI foi uma das mais letais em conflitos que aconteceram na década de 1970 e 1980, em especial da Guerra do Yom Kippur, quando os Kfir abateram mais de 100 aviões do Iraque, Síria e Egito, praticamente aniquilando as forças aéreas desses países por quase uma década. A aeronave, porém, já não voa mais com a força aérea de Israel.

Recentemente, a Argentina negociou a compra de caças Kfir desativados e atualmente estocados em Israel. A negociação, porém, não foi adiante.

Veja mais: Embraer avança em ranking global de empresas do setor militar