O 767 estreou com a British Airways em 1990; companhia teve 28 aeronaves (British Airways)

O 767 estreou com a British Airways em 1990; companhia teve 28 aeronaves (British Airways)

A tradicional companhia aérea British Airways, do Reino Unido, realizou nesse domingo (25) seu último voo comercial com um Boeing 767. A viagem de despedida do jato aconteceu no trecho entre Larnaca, no Chipre, e Londres, marcando o final de uma carreira de quase 30 anos da aeronave com a empresa britânica.

O jato da Boeing estreou no com as cores da British em fevereiro de 1990 e a companhia operou um total de 28 unidades da aeronave. Desde então, a frota da companhia completou mais de 425.000 voos comerciais. A rota mais movimentada do jato com a empresa britânica foi o trecho entre Londres e Frankfurt,na Alemanha, com mais de 15.000 voos. Os modelos operados pela BA eram o 767-300ER.


A carreira do 767 com a British Airways começou com rotas de longa distância, como voos para Nova York e Abu Dhabi, e nos últimos anos a companhia adaptou parte da frota para voos de curta distância pela Europa ou mesmo rotas domésticas.3

O último voo comercial do 767 com a empresa britânica foi realizado com a aeronave com matrícula G-BZHA. Este jato era operado pela companhia desde 1998 e percorreu cerca de 23 milhões de milhas e transportou algo em torno de 4 milhões de passageiros em 23.000 voos, segundo estimativa da British.

A aeronave também já havia realizado o trecho entre Londres e Larnaca 900 vezes, mas sua rota mais popular foi o voo para Atenas, na Grécia, onde pousou 1.275 vezes.

“O 767 foi uma parte brilhante de nossa frota, percorrendo algumas de nossas rotas mais populares e oferecendo aos clientes o que era um serviço líder do setor em seu tempo. E isso acontece quando o 767 final deixa a frota eao mesmo tempo em que recebemos a 30ª entrega de outra aeronave líder do setor, a 787, que oferece aos clientes uma experiência excepcional nos céus”, afirma o capitão Al Bridger, diretor de operações de voo da British Airways.


O 767 com matrícula G-BZHA realizou 900 vezes o voo entre Larnaca e Londres (British Airways)

O 767 com matrícula G-BZHA realizou 900 vezes o voo entre Larnaca e Londres (British Airways)

767 em fim de carreira, mas só na aviação comercial

Sensação na aviação comercial de longa distância nos anos 1980 e 1990, o Boeing 767 caminha nos próximos anos para sua despedida no setor. Com mais de 1.000 unidades produzidas e uma longa carreira com centenas de companhias, entre elas empresas no mercado brasileiro, como as extintas Varig e Transbrasil. O jato ainda segue voando com a Latam Brasil.

O agora antigo jato da Boeing mantém a fórmula mais procurada atualmente pelas companhias, que buscam aviões bimotores de longo alcance, mas não é tão eficiente comparado aos modelos mais recentes, como os Airbus A330 e A350 ou mesmo o 787.

A carreira da aeronave, porém, ainda está longe de terminar. A linha de montagem do jato continua ativa e atualmente produz modelos adaptados para transporte de carga e versões militares, como o novo reabastecedor aéreo KC-46 Pegasus.

O caça F-16 é uma das aeronaves que já testou o acoplamento com o Pegasus (USAF)

O 767 ainda é uma importante plataforma aérea militar, como missões de reabastecimento em voo (USAF)

Os 767 usados e recém-retirados da aviação comercial também podem podem continuar voando por mais alguns anos convertidos para transportar cargas, com capacidade para mais de 50 toneladas. A processo de adaptação da aeronave é oferecido pela própria Boeing e outras empresas especializadas do setor.

Veja mais: Marinha desativa oficialmente o porta-aviões São Paulo